Avançar para o conteúdo principal

O drama dos Opinion Makers


Usar a própria cultura 'pop', com que estes brincam diariamente, contra ou dentro dos limites dos fazedores de opinião, é tão infrutífero quanto explicar ao um pescador as razões genéticas porque não se deveria pescar em excesso a sardinha miúda.
O pescador não entende porque lhe querem tirar o sustento, ainda que este, senão cuidado, se acaba num repente, e os pescadores com ele. Não entende o pescador, porque hoje é hoje, e amanhã, logo se vê. O futuro, grosso modo, é muito mal ponderado face às necessidades do presente.
O 'opinion maker' desdenha os chico-espertos que fazem intenção de ser tão espirituosos quanto eles, pela mesma razão. Hoje sou eu, amanhã podes ser tu, e eu, onde fico nesta transição?
Porque importa-lhes é manterem-se pontas de lança no jogo das questões rápidas com respostas mais céleres ainda. Agora, já, neste momento...daqui a pouco, já não conta!
Têm de estar sempre na vanguarda do que vai acontecendo de novo, e isso há-de ser tão cansativo. Pobres fazedores, que precisam de produzir sarcasmos diários para agradar aos seguidores incondicionais e não toleram sucessores secundários. Mas isso entende-se. É um lugar tão difícil de conquistar, aquele baluarte da ironia. Reizinhos por coroar da excelsa arte de conduzir rebanhos. O 'opinion maker' é um diligente empregado daqueles que alimenta com os seus posts. É um rio que flui constantemente para os seus 'súbditos'. Trabalha incessante na busca de notícias, gif's, fotos, piadas e frases feitas que outros, menores, ainda não conseguiram resgatar para os seus portfólios. A perícia em trabalha-las num texto cheio de piada e inteligência, é o passo a seguir. E tudo isto tem de ser feito em tempo de bala. Se fulano morreu faz três minutos, tenho dois somente, para construir um chiste cheio de bom escárnio e plantá-lo no meu perfil. Compilar, confirmar, montar, editar e depois publicar nas redes sociais, depressa, depressa...antes que outro fazedor se nos antecipe. Isto é uma canseira. Eu próprio já sinto alguma fatiga só de escrever este post. E é isto só um blog, que poucos lêem. Imaginem se isto fosse o facebook?

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.