Avançar para o conteúdo principal

Jorge Machado


Jorge Machado
Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem.
Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos. 
E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. Mas não se pense que esse gosto do rigor e do método o leva a cercear a liberdade de criação, o golpe de asa inventivo. Nada disso. O que caracteriza o seu trabalho em fotografia é justamente o equilíbrio entre a investigação e a originalidade dos enfoques. O compromisso com uma visão pessoalíssima dos objectos que trata. 
E ensinou-me muito a ser pessoa melhor por contacto de apego e empatia. Retribuo-lhe assim, pequenino, porque a favor da validação dos que já são pouco há que divulgar. O que é preciso é que os amigos o sejam e encontrem em si a vontade de deitar ao mundo os pequenos deslumbres daqueles que precisam e lhes são mais próximos. O mundo precisa de se abrir mais, de sair dos contornos regulares. Adoro-te a ti e ao que fazes tão bem. Por isso, e como hoje é o dia internacional da fotografia, só posso mais dizer que o brado da vida nunca se canse do nosso lado.

Em baixo, alguns exemplos da sua maravilhosa objectiva. Aqui, os links para as suas páginas de facebook e instagram. Para apreciação de todos e para que o divulguem também. O Jó faz variadíssimos trabalhos fotográficos de: concertos, exposições, apresentações de livros (a primeira foto sou eu mesmo), baptizados, comunhões, casamentos, campanhas eleitorais, sexo ao vivo e tudo mais que se consigam lembrar, ele eterniza com excelência. Não deixem de o descobrir.





Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…