Avançar para o conteúdo principal

Jorge Machado


Jorge Machado
Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem.
Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos. 
E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. Mas não se pense que esse gosto do rigor e do método o leva a cercear a liberdade de criação, o golpe de asa inventivo. Nada disso. O que caracteriza o seu trabalho em fotografia é justamente o equilíbrio entre a investigação e a originalidade dos enfoques. O compromisso com uma visão pessoalíssima dos objectos que trata. 
E ensinou-me muito a ser pessoa melhor por contacto de apego e empatia. Retribuo-lhe assim, pequenino, porque a favor da validação dos que já são pouco há que divulgar. O que é preciso é que os amigos o sejam e encontrem em si a vontade de deitar ao mundo os pequenos deslumbres daqueles que precisam e lhes são mais próximos. O mundo precisa de se abrir mais, de sair dos contornos regulares. Adoro-te a ti e ao que fazes tão bem. Por isso, e como hoje é o dia internacional da fotografia, só posso mais dizer que o brado da vida nunca se canse do nosso lado.

Em baixo, alguns exemplos da sua maravilhosa objectiva. Aqui, os links para as suas páginas de facebook e instagram. Para apreciação de todos e para que o divulguem também. O Jó faz variadíssimos trabalhos fotográficos de: concertos, exposições, apresentações de livros (a primeira foto sou eu mesmo), baptizados, comunhões, casamentos, campanhas eleitorais, sexo ao vivo e tudo mais que se consigam lembrar, ele eterniza com excelência. Não deixem de o descobrir.





Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.