Avançar para o conteúdo principal

Jerry Lewis II


Muitos talvez o desconheçam, mas o grande Jerry foi muito mais que um querido canastrão a fazer caretas e quedas abruptas em frente a uma câmera. Aquela persona nasalada de rapaz-homem, foi senão um lanço na longa estrada Jerry Lewis. 
É de atentar a pequena mão-cheia de actores de comédia que realmente se tornaram lendas, e ele, sem dúvida que é aqui se enquadra.
A sua forma de actuar era tão simples e pateta que acabava por se tornar genial em simultâneo. Veja-se com um olho crítico alguns trechos dos seus melhores filmes, e entender-se-á de imediato o quão inspirado ele era.
Os dois realizadores que melhor souberam trabalhar o seu talento foram: Frank Tashlin ("The Disorderly Orderly" 1964, "It's Only Money" 1962, "Cinderfella" 1960, "Rock-a-Bye Baby" 1958) e Norman Taurog, este segundo, dirigindo-o em pequenas pérolas do inicio da sua carreira, alguns destes ainda em parceria com Dean Martin. Tendo sido esta dupla, Martin & Lewis que o catapultou da obscuridade dos inúmeros espectáculos que fazia em bares, casinos e salas de comédia, para um estrelato sem precedentes durante a primeira metade dos anos 50.
O duo terminou abruptamente, por questões que ainda hoje permanecem um mistério, e ambos prosseguiram carreiras a solo muito bem sucedidas.
No caso de Jerry, porém, homem extremamente versátil e muito curioso com tudo o que envolvesse o trabalho em cinema, a vontade de se colocar atrás da câmera foi quase imediata, dirigindo-se a si próprio, em alguns dos seus melhores filmes: "The Bellboy" 1960, "The Ladies Man" 1961, "The Errand Boy" 1961, "The Nutty Professor" 1963, "The Patsy" 1964 e "The Family Jewels" 1965.
Em cada um destes filmes, todos escritos ou co-escritos por si, tentava sempre explorar e abrir novas técnicas de se fazer cinema, inovando na aplicação de música ao vivo, perfeitamente bem integrada na história, no desenvolvimento cénico e de design artístico e inclusivamente, na criação de novas tecnologias, como é o caso do video assist - o sistema, hoje comum, que permite a um realizador ver num monitor o que a câmara está a captar, em vez de estar de pé junto ao cameraman. Isto foi invenção sua.
A Jerry interessavam-lhe as "humanidades do filme", como lhes chamava. Referindo-se às pessoas, electricistas, carpinteiros, modelistas de miniaturas, operadores de gruas, maquiadores, e todos os que contribuíam de forma equitativa para a feitura do filme. Passava horas com estas pessoas e aprendia-lhes os ofícios, porque gostava de saber tudo. 
Paralelamente, chegou também a leccionar cinema, na USC (University of Southern California) em Los Angeles, tendo sido convidado pela editora Random House a escrever 'o livro' fundamental sobre a imersão total da realização de filmes de comédia, - ou de filmes em geral. - Um livro, amplamente estudado por imensos realizadores que lhe seguiram e que demostra claramente a genialidade de Jerry Lewis. 
Não foi por acaso que Scorcese, que muito o apreciava, lhe dedicou o filme "The King of Comedy" 1982, foi porque Jerry, realmente, foi um rei na comédia do seu tempo, e um homem cioso da sua privacidade e do seu espaço muito próprio, criativo e inquieto. Teve uma carreira de muitos altos e baixos, com algumas controvérsias pelo meio, mas a homenagem é mais do que devida, pois foi um gigante entre gigantes, e deixará muitas saudades a todos quanto, como ele, amam o cinema.

Capa do Livro de Jerry Lewis "The Total Film-Maker"

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…