Avançar para o conteúdo principal

Jerry Lewis II


Muitos talvez o desconheçam, mas o grande Jerry foi muito mais que um querido canastrão a fazer caretas e quedas abruptas em frente a uma câmera. Aquela persona nasalada de rapaz-homem, foi senão um lanço na longa estrada Jerry Lewis. 
É de atentar a pequena mão-cheia de actores de comédia que realmente se tornaram lendas, e ele, sem dúvida que é aqui se enquadra.
A sua forma de actuar era tão simples e pateta que acabava por se tornar genial em simultâneo. Veja-se com um olho crítico alguns trechos dos seus melhores filmes, e entender-se-á de imediato o quão inspirado ele era.
Os dois realizadores que melhor souberam trabalhar o seu talento foram: Frank Tashlin ("The Disorderly Orderly" 1964, "It's Only Money" 1962, "Cinderfella" 1960, "Rock-a-Bye Baby" 1958) e Norman Taurog, este segundo, dirigindo-o em pequenas pérolas do inicio da sua carreira, alguns destes ainda em parceria com Dean Martin. Tendo sido esta dupla, Martin & Lewis que o catapultou da obscuridade dos inúmeros espectáculos que fazia em bares, casinos e salas de comédia, para um estrelato sem precedentes durante a primeira metade dos anos 50.
O duo terminou abruptamente, por questões que ainda hoje permanecem um mistério, e ambos prosseguiram carreiras a solo muito bem sucedidas.
No caso de Jerry, porém, homem extremamente versátil e muito curioso com tudo o que envolvesse o trabalho em cinema, a vontade de se colocar atrás da câmera foi quase imediata, dirigindo-se a si próprio, em alguns dos seus melhores filmes: "The Bellboy" 1960, "The Ladies Man" 1961, "The Errand Boy" 1961, "The Nutty Professor" 1963, "The Patsy" 1964 e "The Family Jewels" 1965.
Em cada um destes filmes, todos escritos ou co-escritos por si, tentava sempre explorar e abrir novas técnicas de se fazer cinema, inovando na aplicação de música ao vivo, perfeitamente bem integrada na história, no desenvolvimento cénico e de design artístico e inclusivamente, na criação de novas tecnologias, como é o caso do video assist - o sistema, hoje comum, que permite a um realizador ver num monitor o que a câmara está a captar, em vez de estar de pé junto ao cameraman. Isto foi invenção sua.
A Jerry interessavam-lhe as "humanidades do filme", como lhes chamava. Referindo-se às pessoas, electricistas, carpinteiros, modelistas de miniaturas, operadores de gruas, maquiadores, e todos os que contribuíam de forma equitativa para a feitura do filme. Passava horas com estas pessoas e aprendia-lhes os ofícios, porque gostava de saber tudo. 
Paralelamente, chegou também a leccionar cinema, na USC (University of Southern California) em Los Angeles, tendo sido convidado pela editora Random House a escrever 'o livro' fundamental sobre a imersão total da realização de filmes de comédia, - ou de filmes em geral. - Um livro, amplamente estudado por imensos realizadores que lhe seguiram e que demostra claramente a genialidade de Jerry Lewis. 
Não foi por acaso que Scorcese, que muito o apreciava, lhe dedicou o filme "The King of Comedy" 1982, foi porque Jerry, realmente, foi um rei na comédia do seu tempo, e um homem cioso da sua privacidade e do seu espaço muito próprio, criativo e inquieto. Teve uma carreira de muitos altos e baixos, com algumas controvérsias pelo meio, mas a homenagem é mais do que devida, pois foi um gigante entre gigantes, e deixará muitas saudades a todos quanto, como ele, amam o cinema.

Capa do Livro de Jerry Lewis "The Total Film-Maker"

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…