Avançar para o conteúdo principal

Cinco minutos



Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação. 
Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias. 
Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim.
Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-se depois, porque é tudo demasiado estranho para não ser um sonho. Durmo e renego a possibilidade de acordar, por nada mais além de não saber o que fazer com o meu dia, ou com o tempo que me resta para escrever isto  
(três minutos agora). 
O dia passa tão rápido que por vezes nem luto, nem tenho tempo para lutar. Vejo fantasmas da minha janela. Todos, todos. Quantos milhares de pés já terão pisado a saída daquela paragem do Metro? Quantos olhos tristes já percorreram a praça em frente, quantas mais fotografias aguentarão os arcos do Aqueduto, até ruirem? 
A sensação estranha de fazer parte disto tudo, de querer me colocar na borda, e mesmo assim ter um papel nesta história, tudo isto me assusta, mas sigo, pela cidade dentro. Escorreguei na calçada de S.Tiago, os meus pés vacilaram, e aquelas pedras tinham sido todas lavadas de fresco, quase caí. Mas ainda existe alguma força em mim, uma superioridade aos meus medos, limitações. 
(Falta 1 minuto, não vou acabar isto a tempo).
Que importa. Deixei de pensar duas vezes no que escrevo e as palavras fluem. Umas vezes com rigor, outras, nem por isso. Quase como uma música insuportavelmente alta na minha cabeça, dizendo-me: bom dia ou foda-se. Páro tudo. Há alguma coisa maior que o desdém gratuito, maior que os meus dedos frios, paralisados pelos medos inadequados, atrasados dois minutos neste instante. Dias há, em que a cidade me devolve gratidão e ponho-me em sossego no regresso. Vou voltar para casa agora. Mais tranquilo e desperto, vou escrever.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…