Avançar para o conteúdo principal

Regras do trânsito sentimental


Como hei-de explicar que não se entra, assim, pelo Amor fora?
Que é um processo de explosões, 

misto de engodo, insensatez, beijos oblíquos e cheiros bons.
por vezes anda-se a manifestos estoiros com a cabeça rebatida no mundo-plano
e as estradas são todas estrangeiras

quem se achega, vem a evitar a flora mirrada da desistência do próprio peito

e seus olhos já viram montado de sobra 
e heróis fatigados, agarrados como podem ao vento.
Entre os mais-ou-menos imperfeitos
procuram-se superpoderes para dar a volta a isto.

(serpenteando por árvores despidas da cintura para baixo, 
que deixam marcas tão fortes 
que bem se pode estar uma década sem conseguir fazê-lo de novo).

É então que se lançam as sebes ao alto

e a protecção dos muros é como um livro interrompido
ou dói ou tem pressa de ir embora de vez.
De concreto fica só o muro
a buganvília e o jasmim cheiroso perdem logo a altivez.

Mesmo assim, sentimo-nos num caminho a sério 
à razão de trinta quilómetros por segundo.
Há uma certa ordem a alinhar o desgovernado amoroso,
prepara-nos para o salto das fronteiras. 

Os casebres da solidão já não assustam 
e pelos terraços de mau-tempo
os rafeiros apresentam-se bem presos. 
aproximamo-nos da emoção aparada 
com a curiosidade de um pardal; 
arrancamos uma folhita desprevenida, só para cheirar, 
e seguimos por aquele estradão de levadas inconstantes.
Quando o casario afunila e se inclina para nos ver melhor, 

sente-se um certo desconforto ao nível do sobressalto
mas os azuis, os vermelhos e os amarelos que bordejam os brancos, 
distraem e impedem que se veja o tapete de alcatrão por onde já caminhamos. 
E depois, há sempre o sorriso tranquilizante que traz as regras de trânsito, 
ignorando nós que aqueles abraços que tricotam alegria, 
também se remexem das mesmas poções que nos borbulha cá dentro.

Quando se dá por ela, já estamos na rotunda; bem no meio do Amor.
Aí só nos resta levantar a cabeça e circular pela direita, 

resmungando uns monossílabos desconexos aos outros, 
que por lá andam, também aos encontrões.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…