Avançar para o conteúdo principal

Piquenas estórias de amore VIII


Já era quinta-feira e o mundo continuava fantástico.

Disse-me que sim: "É tudo simples, viver é simples. Que mais há para ser dito sobre o amor? que é bom, que existe? 
- E sobre as ausências e os grãos de desespero pelo mundo afora? Que crescem e crescem, sem parar. E sobre as cordilheiras de pura dor que atravessam o mundo? - Pergunto-lhe.
- Que são o que são, e que não há nada demais nisso. E sobre os abraços espontâneos de um filho, não queres falar? E sobre aquela borboleta que me entrou ontem pela janela. Sobre os dois euros que encontrei num casaco de Inverno e te convidei para vires tomar café hoje comigo. Sobre estas coisas, queres falar?
Acuso-o de optimista, e ele sorri com gratidão: "Sou. Coisas há que nos dão garantias de estabilidade aos dias. De contrário, chega Dezembro, e nada feito a que se chame vida.
Rio-me e penso que talvez aquilo seja uma estreiteza que lhe deu neste dia. Está bem que ele não queira viver para sempre, mas rio-me porque lhe apetece que os outros o façam. 
Foi sempre assim. Ele tem um Ford Escort atado nas portas com fio de norte, e eu.. eu lembro-me só de um trecho do único poema que decorei: "Alguma coisa me consome. Fumo demais. Bebo demais. Morro de menos." 
- Sim, eu sei o quanto gostas desse poema. Heiner Müller.
- Falei..falei em voz alta?
Perco-me por segundos analisando todos os meus dias e conclusões e quando volto à mesa, ali está ele a falar da poesia que lhe enche o fôlego de futuro. Fala com leveza, com uma alegria imensa. Cada palavra parece empurrar-lhe o corpo para fora do medo, e penso: "Se houver próxima vida, queria tanto ser assim".
Depois conversámos sobre questões de fundo. Que ele faltou a uma entrevista de emprego para estar aqui comigo. Como eu queria tanto ser bom em entrevistas de emprego. Que ele criou o seu próprio emprego enquanto se ocupava a pedir o café: "Vou ser editor de cartas de amor." Quanto eu desejaria poder criar seja o que for. Em nosso redor as pessoas queixavam-se da chuva, e ele ria-se: "Nem penso quando olho pela janela. Não digo nada."
E continuamos a falar sobre considerações várias. Umas relativas ao concreto e outras ao etéreo. Volto a mim a tempo de me rir da sua última piada e de nos despedirmos. Abraçou-me com tal ímpeto, que o meu coração não se conteve e me tingiu a camisa. Ele foi ao bolso do casaco e tirou uma esferográfica vermelha. Passou-ma para as mãos. Os meus lábios não se moviam, nem um som. Ele diz-me: "Escreve esta história, se te apetecer. Viver é simples. - Repetiu outra vez, mais devagar -  Simples."


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…