Avançar para o conteúdo principal

Piquenas estórias de amore VII



- Olha, o passarinho. ri-te, vá lá.
- Ri-te tu, antes. Diz qualquer coisa engraçada.
- Digo o quê?
- Sei lá, qualquer coisa.
- Está a gravar, senhor? Quando formos grandes, seremos artistas, sabe?
- Sim. Filmamos já os outros meninos. Ainda haveremos de ser artistas.
- Mas como, se não temos aquela geringonça?
- Olha, assim. 
- Com as mãos no ar?
- Sim. Depois vamos ali ao coreto e treinamos os teatros. 
- Posso cantar?
- Podes fazer aquela coisa de cantar. És tão tapada. 
- Tu fazes aquela em que tens os braços abertos e desces os degraus, a sorrir. 
- Faço pois, e tu cantas. Se fizermos muitos teatros e muitas canções, e se convidarmos toda a gente, depois podemos ir à mercearia da D.Laura comprar caprisonnes fresquinhos.
- E aquela coisa que tira retratos, quando compramos?
- Não sejas trenga. Fica séria, agora. Mas depois tens de cantar, sim? Vais ver, quando tiveres óculos escuros é que vai ser. 
- Tens cá umas manias. Isso não pode ser só teatro. 
- Chiu, cala-te agora. Fazes umas danças e cantas. Entro depois e deixo-me salvar pelo artistinha. Caio desmaiada nos seus braços, mas tudo a fingir, entendes? Está pouca gente no jardim.
- E quem vai ser o artista, falamos com o TóJó a ver se ele quer?
- Quando chegar Agosto vai ser melhor que isto. 
- Mais gente? Os meus tios chegam da França.
- Estás com ranho. Cala-te e olha para a frente. Amanhã fazemos outra vez aquilo de correr até à estação, combinado?
- Levar com o vento do comboio na cara, gosto tanto. E o TóJó, pode vir connosco?
- Não, o TóJó não pode vir. Só eu e tu. Temos moedas que cheguem. Podemos é ir de bicicleta até à praia, ver quem fuma mais cigarros. Vamos até ao fim do pontão e escondemo-nos atrás do rochedo azul.
- Que nojo. Não gosto quando o papá me dá beijinhos desses. O bafo dele cheira ao café do Ti Antunes. Pode ser que esteja bom tempo de tarde. Posso cantar na areia para os turistas, e tu pões uma toalha às costas e fazes de conta que és uma princesa em perigo.
- Tola! O vento atira-te areia para a garganta e não consegues cantar. E eu não posso fazer teatro com a toalha velha do meu irmão às costas. Tem dois buracos.
- O TóJó empresta-te a dele. A dele é bonita, tem uma menina bonita em biquini.
- Chiu, não digas trenguices. Já te disse que ele não vai connosco. Só vamos nós as duas para o cinema.
- Se calhar, antes disso, ainda vamos à nossa vida, estudar e assim. Mas depois, está bem. Podemos brincar aos filmes só as duas. Como hoje. 

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

...onde o vento sopra mais forte

O meu caríssimo amigo Rui T, em actuação ao vivo no Teatro Municipal de Vila do Conde, com o novo tema, entretanto já gravado: "Corre", baseado no meu livro com o mesmo título. O Humberto sorri algures.

Podem saber um pouco mais sobre o Rui e o seu trabalho, aqui.

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…