Avançar para o conteúdo principal

Os movimentos das eleições


Os tempos da democracia unilateral eram outros. Agora é um nadinha mais complicado dizer coisas destas. É que, descontando a formalização dos anos todos iguais, há um subconsciente novo malsão político que emerge em Vila do Conde. 
Sempre esteve por aqui. Isto é, deixado em relativa liberdade ou minimamente condicionado. Por muito que a evolução da cidade e, em reduzidíssima parte, do concelho, tenha demonstrado a necessidade da vida comunitária para a sobrevivência desta unilateralidade, ao fim deste tempo todo, assumiu-se por fim a selvajaria, (expressão por mim utilizada, não pelos brutos em si) e este ano, ao que parece, ganhamos a hipótese de uma eleição possível de chegar de muitos lados diferentes, de tantos movimentos.
Tem os seus méritos óbvios, é natural que tenha. A Democracia necessita das fracturâncias para se lavar de tempo em vez. E romperam-se muitas coisas por aqui. Lealdades, confianças, posturas, dignidades, programas eleitorais, até o bom senso se partiu ao meio, por aqui. No fundo, quase tudo que normalmente constitui a habitual modorra dos processos de eleição autárquica vila-condense, se fracturou em sete pedaços este ano.
É que as pessoas, por regra, prestam mais atenção a estas eleições, numa atitude de autêntico colaboracionismo. Fica aqui mesmo, é já ali ao lado, é fulano que já fez ou sicrano que quer fazer. Há um sentido de integração absoluto que nasce da necessidade do aproveitamento imediato. Quase chega a existir uma translação muito pessoal a cada um, que os atinge ao espaço tributável dos seus próprios jardins. E isso toca mais forte na responsabilidade do voto. 
A Europa fica lá longe, nos outros países. O presidente da República é aquela figura insone de pátina que anda a correr por todos os lados, sem chegar a lado nenhum. Os outros, aqueles que se diz que governam, são todos iguais, seja de um lado ou do outro. Mudam-se as caras, mas não os assentos, e o povo desencanta-se sobremaneira com as legislaturas das cadeiras, ao fim de um certo tempo. Nas câmaras e nas juntas, não. Nada disto é verdade nas Assembleias municipais. 
Ocorre uma educação antiga que recusa os meros limites da campanha, que depende do esforço individual e colectivo por, ao menos, exigir-se uma consciência cívica que contrarie o bicho primário que sempre fomos. E se, até então parecia que eram sempre as mesmas caras para os mesmos assentos, agora, já são mais caras sim, caras diferentes, caras novas, caras que querem romper com tudo. Já as tácticas, não. Vê-se um pouco de tudo igual ao de sempre, ouvindo-se os discursos de quem discursa, mais os meios que lhes dão voz, as reacções que conseguem alguma visibilidade, a indiferença ou o assanhamento conforme o tema, que paradoxal retrocesso este inusitado desenrolar político se está a revelar. 
O sentido e a densidade das palavras varia, em função dos contextos de quem as recebe e interpreta. Exemplo mais contundente, é este meu texto, que sendo lido, será interpretado como cinismo puro por mentes mais tacanhas.
Obviamente que os boletins de voto terão impactos diferentes para o cidadão citadino, mais atento e assíduo aos comícios, e para o cidadão interior, das quintas de lavoura e dos barcos corajosos. Para esses, receio que o passado ainda seja tão omnipresente que facilmente se deixarão guiar pelos símbolos em vez das palavras, ou dos rostos. Isto representa algum perigo que deturpará certamente os resultados ulteriores.
Pensar chega quase a ser um terrorismo. E a carnificina é justificada com a crença em algo que despreza o valor do outro, em efeito, um infiel. Tenho visto muitos desses nos últimos tempos por esta pacatez destruída.
Até Outubro ainda muito se espera de reacção e contra-reacção. A democracia tem este lado bonito do debate livre, e ainda bem que assim é. Contudo, as mentes e corações dos vila-condenses, nunca antes foram assim tão pretendidos como agora. Estas eleições talvez rumem por aí (pelo estereótipo) ou pela placidez com que aceitamos o inaudito, mas a capacidade selectiva de não nos comovermos é o que alimenta o monstro, e o que enfim nos desumaniza na altura do voto. Alguém que nos interpele a sério antes do próximo assalto.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…