Avançar para o conteúdo principal

Os Bárbaros do Aqueduto


Texto publicado hoje, no Facebook, ao qual ninguém ligou um caralho. São daquelas coisas triviais que já devia ter mais cabecinha que isto para não as levar a sério, mas levo na mesma. Sou irritante ao ponto de me levar a sério. São todos uns esmorecidos, eles não falam e eu só escrevo. Que coisa! Mas tenho as minhas suspeitas daqueles algoritmos. Suspeitas do género das teorias, de conspiração. - Pode ser que aqui pegue.

"Os bárbaros estão no meio de nós talvez porque os bárbaros somos nós. Começam a restar-me poucas dúvidas em relação a isso. É claro que também já tive mais certezas. O mesmo ram-ram de sempre. Por exemplo; há aqui um casal de vizinhos que passeia um par de canitos pela praça, todos os dias, várias vezes ao dia. Nada de extraordinário nisto, fora a questão trivial de um dos bichos ser mais espevitado que o outro. Aquilo parece um texugo bebé carregado da electricidade positiva daquelas pilhas que não acabam, corre, corre, corre...enfim, é óbvio que, tal criatura, vendo-se solto e ao ar livre o que deseja mesmo é pôr-se a explorar os limites dos arredores, a relva os carros as crianças do centro de estudo o raio dos atletas do fitness, vai tudo a eito pela curiosidade dentro. Bolas, se ser-se cão não for ser isto, o melhor é entregá-los já todos aos chineses para as ementas, e acabar-se com o seu sofrimento. Noto ser o bóbi sobejamente mais inteligente que os próprios donos, que distraem este bom tempo de interacção com os seus animais de estimação, limitando-se a correr atrás dele, não pelo gozo da brincadeira, mais como se estivesse iminente algum cataclismo terrível, bradando-lhe o nome pelo eco da praça até à rouquidão. Fazem isto todos os dias e várias vezes ao dia. Ora, a barbárie nem se fica por aqui. Quando o apanham ou o bicho se cansa e retorna, dão-lhe a proverbial sapatadinha no dorso, nada de violento, só um safanão para mostrar a soberania, que a ele lhe parecerá como: esta gente que se decida e que pare de uma vez de me chamar por aquele nome, que eu nunca fui amigo do Charlie Brown. - Basicamente, é isto. Mais uma sessão de gritaria, umas sapatadas e depois colocam-no no chão e começa tudo outra vez até ser hora de se recolherem a casa. Acontece que isto vem a ser, todos os dias e várias vezes ao dia, e eu estou sentado a uma janela aberta, porque é o meu sítio e portanto, aturo as barbaridades que assisto. Que remédio."

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…