Avançar para o conteúdo principal

O Surto


Donato vinha apressado, trazia a maleta na mão direita e, assim que virou aquela esquina manhosa, perdeu logo a conta dos passos até reduzi-los num nada.
Encostou-se cambaleante à parede da padaria e por ali mesmo ia escorregando devagarinho até se ver sentado na calçada com a maleta defronte.
Cinco transeuntes fizeram-lhe cerco e as questões vinha todas seguidas e todas muito iguais: "O senhor está bem? Senhor Donato, sente-se mal? Sente-se bem Senhor Donato?" - Alenquer Donato, era uma figura que quando abria a boca pela cidade os outros fechavam as suas de imediato. Fazia muito por abri-la agora, movia os lábios com vontade, mas nada de respostas.
Um senhor alto e todo vestido de azul sugeriu que sofria muito, dos ataques que deitam as pessoas ao chão.
Donato reclinou-se, estava agora deitado ao comprido pelo passeio e um rapaz novo, esgalgado por ele todo, pediu aos outros que lhe dessem espaço à respiração. Abriram-lhe o casaco pelo trespasse, alargaram o colarinho e o nó da gravata. Quando lhe punham os sapatos fora dos pés, Donato purgou uma espuma pela boca, ao canto.
Mais pessoas chegaram, entretanto, entre moradores da rua e clientes da padaria eram já para cima de vinte, sem contar com os estranhos, só de passagem. O senhor de azul, insistia que Donato morria de ataques continuados, que aquilo era um surto que se via muito por aqui.
Um velha, já muito grisalha nas mãos, sentiu-lhe a testa a escorrer água e afirmou muito baixinho que aquele homem já morria sim, mas pelas febres malignas. A populaça alarmou-se e já o ia arrastando até um táxi. Donato, com a parte do corpo que inclui a cabeça, dentro do carro de praça, ficou detido pela metade quando o taxista pergunta: "E a corrida, quem ma paga?"
- O melhor é chamarmos o pronto-socorro. - Diz o ajudante de padeiro que ajudara a tira-lo do táxi.
Donato é novamente reconduzido ao passeio e ali aguardava, deitado. Metade da gente dispersou pelos seus afazeres e já não havia sinal dos seus sapatos ou da sua maleta de couro. Encostaram-no à parede do outro lado da rua, perto da montra da sapataria Gabarito.
Ao lado oposto, pela vitrine da padaria, alguns iam tomando meias-de-leite aos bochechos, apreciando o incidente pelo vidro. Donato continuava torto como o deixaram. Algum resistente, perguntou se não seria melhor que lhe examinassem os bolsos a saber quem era.
- É Alenquer Donato, o cigano. - Diz o homem alto. - Como é que não o reconheceste de imediato? - Continua este.
O primeiro homem, assistido por mais dois, revistava-lhe a carteira e os bolsos interiores do casaco justo até ao sinal de nascença. 
- É. Tinhas razão. É mesmo o Donato. - Concluiu.
Registou-se mais uma pequena debandada de transeuntes longe do corpo. No outro lado da rua, o padeiro gritava pelo seu ajudante, que era preciso fazer mais uma fornada para acompanhar tantas meias-de-leite. Várias pessoas chegaram a tropeçar em Donato ao se afastarem, algumas tinham pressa, somente.
Parou um carro na berma. Saiu um homem em mangas de camisa que logo se agachou ao seu lado. 
- Que se passa aqui, sentiu-se mal? - Pergunta ao homem alto todo vestido de azul. 
- Não há forma de se saber. - Diz este. - Aquele senhor ali ao fundo falou qualquer coisa sobre um surto de ataques.
- Ataques? Foram terroristas que o deixaram assim, neste estado?
Donato jazia escangalhado no passeio, sem casaco onde ter a carteira, estava sem calças para os trocos. Tinha o cabelo fora de prumo e a boca suja.
- Alguém ficou de chamar a ambulância. - Afirma o homem alto. - Mas acho que teve de ir fazer pão primeiro.
A gente toda dispersou. Donato ainda pulsava, mas tinha a respiração por um fio. O homem em mangas de camisa falava ao telemóvel ao seu lado, e o outro, que era muito alto, admirava-lhe a tecnologia de ponta.
Ficou a senhora muito grisalha, sentada no passeio ao lado da cabeça de Donato. Vez em quando descia-lhe a mão pela fronte e só quando a sentiu seca é que acreditou estar sentada ao lado de um defunto. 
- Ele morreu, ele morreu! - Grita a senhora.
E de novo, vieram rodear Donato, alguns que experimentavam sapatos e outros que ainda traziam bigodes de leite nas fuças. Levara quase duas horas para morrer e as pessoas entristeceram-se por não ter sido mais tempo. O homem desligou o telemóvel e cruzou as mãos de Donato sobre o peito nu. Fez recurso ao que lhe sobrou para lhe amparar a cabeça, uma rodilha de gravata: "Ninguém pode prever estes ataques - diz o homem muito alto todo vestido de azul - Isto espalha-se de repente e já está. - A espuma tinha desaparecido toda da boca de Alenquer Donato e os seus olhos fecharam-se antes, sem que ninguém precisasse agora de o fazer por ele. Ficaram todos debruçados sobre o corpo, por largos minutos, quase como em um retrato, até ter começado a chover.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…