Avançar para o conteúdo principal

A Grande Cisma







Certa altura, alguém, cedeu um pouco do seu precioso tempo neste mundo para se dirigir a mim e dizer-me: - "Queixas-te demasiado! És choramingão, um escritor maçador! - Claro que aquilo, foi um instante passageiro, mas senti um notório desconforto a espigar-se-me cá dentro, desde então. Ao primeiro sinal de contrariedade parto ao combate e escrevo. Não é tudo quanto posso fazer, mas, na maioria das situações, é o melhor que arranjo como solução.
Na altura fiquei a olhar para aquelas palavras (que foram escritas, não ditas) engoli o desconforto e perdi-me em uma ligeira sofreguidão. Ainda que, pudessem estas simples frases morrer ali, na minha crescente ansiedade, não lhes permiti o fim. Isto é dos piores erros com que a natureza humana nos atrapalha e também o que mais nos aproxima dos grandes herbívoros; ruminamos. Assim o fiz, por longas semanas e semanas. Afligia-me constantemente com aquelas palavras acutilantes, receando que, se me desculpasse de algum modo, estaria a mostrar fraqueza, em efeito, a choramingar. Se, por outro lado, lhe contrariasse as afirmações, mostrar-me-ia só obstinado, incapaz de as perceber inteiramente, o que, de todos os modos, revelar-me-ia igualmente maçador, pois quem refuta sem questionar a razão, fica sem pé em um instante, e, mais tarde ou mais cedo, cai.
Poderia, claro, tomar dois caminhos: seguir em frente e ignorar ou perguntar-lhe efectivamente porquê? - Não o fiz. Estas questões fazem mais sentido ao momento do diálogo. Passado a curvatura suficiente de tempo, tornam-se inúteis, a roçarem a obsessão. Tampouco seria alguém de suma importância meritória dessa exposição. Logo, uma nova fraqueza se avizinhava visível. Primeiro o medo face ao que me foi dito. Estaquei literalmente. Lembro-me de ter ficado largos minutos a olhar para o brilho do écran. Talvez acreditasse que aquelas palavras se sumiriam e as coisas por ali acabassem. Depois, a impiedosa cisma que me tolheu rapidamente qualquer reacção ulterior, e por fim, a sensação de vergonha por ter recebido tão duro golpe de alguém, basicamente, desimportante para mim, tendo-me deixado ficar rebentado, sem opção de revanche. 
Deixei o tempo correr e as semanas transformaram-se em meses que só me avolumavam o peso daquela dúvida. Serei realmente um infeliz escritor choramingas e medíocre?
Sempre me havia julgado mais ou menos duro, longe de ser forte, porém, muitas vezes inflexível em revelar as emoções mais presentes. Talvez que, porque sempre me considerei assim, não tenha podido reagir de imediato. O primeiro equívoco foi assumir que um rosto de póquer trespassa pelo silêncio de uma conversa em mensagem instantânea, o segundo, foi a imensa covardia do mesmo silêncio que permitiu que esta assentasse.
Talvez não me acreditem, mas os meses somaram-se em quase dois anos, levando fixa aquela criatura monstruosa em meus devaneios. Tal foi o seu impacto na minha psique que acabei distante de tudo o mais que até então fora o conjunto de coisas e pessoas que formavam a minha vida. Tanto me marcou as simples frustrações mais comuns, que acabou por encorpa-las em uma gigantesca. Aprisionou-me em um alto solitário, onde só eu existia pendurado. Fechei-me ao mundo e desci todos os degraus que encaminham qualquer um ao fac-simile de um inferno em vida. Recordo-me os olhos claros bisonhos, a boca dura, o ar ensimesmado, enquanto vagueava para ali, num limbo dos meus próprios fracassos. 
Poderia arrumar este episódio da minha vida em um rodapé, sem grande esforço de minudência. Sei que o mal interior é sempre mais tenaz do que o bem, e em tempos de desajuste, isto provoca muita cautela nos fracos. Porém, de ver tanta gente, a desligar-se da malograda desordem do meu mundo, acabei a cuspir mais azares pela boca.
Em derradeiro desespero de libertação rápida, tentei por fim à minha vida, e, até isso também falhei.
Concluo agora que chorar com justiça é um golfo quente de liberdade. Jamais encerrarei qualquer queixa que possua e deva de ser purgada. A falsa sensação de segurança destrói-nos o tecido da individualidade. Lá porque se definiu que mostrar fraqueza é em si mesmo uma fraqueza ainda maior, e devemos a tudo custo evitar fazê-lo, isso não significa que seja algum dogma incontornável. Sou e serei choramingas, sim, e não é certo que saiba substituí-lo por outra coisa, se é que me cabe escolhê-lo. Se for guardar todos os queixumes sem os verter para a luz, viver passará a ser mais doloroso que morrer.





Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…