Avançar para o conteúdo principal

Sir Hitch Forever


Isto não há-de ser só para férreos aficionados, julgo eu, só para aqueles cinéfilos de quatro costados que ninguém ousa levemente questionar, ou muito molestar, com receio das consequentes chicotadas. Hitchcock conseguiu a proeza, ainda durante o seu tempo de vida, de se tornar um dos realizadores simultaneamente mais comerciais à época, sem perder nunca o rumo da boa selecção das histórias que decidia filmar, fazendo-o com uma mestria sem paralelo, dentro do seu género de eleição.
Deste modo, atingiu o mais alto patamar da sua classe; deixou de ser um simples realizador empregue aos desmandos dos Estúdios, como assim aconteceu em Hollywood até meados dos anos 60, e tornou-se um cineasta para a eternidade. 
Os seus filmes tem sido estudados e revisitados com frequência. Alvo de diferentes interpretações e publicações, seja em livro ou na forma cinematográfica. - É que, há tanto para se avaliar em algumas das suas obras-chave, que parece nunca se esgotarem os possíveis argumentos da sua dissecação intemporal.
Gosto de Filmes, gosto muito de filmes e acabo por ser igualmente obsessivo na busca por objectos explicativos acerca dos filmes que gosto, assim como pelos filmes em si.
Como sou também confesso auto-solitário, crio o meu próprio entretenimento, a meu bel-prazer. Logo, ocupo-me a proporcionar-me aquilo que, durante a meu crescimento como imberbe descobridor por filmes, a RTP2 fazia, com a rubrica "5 noites, 5 filmes", onde aprendi, sem sair de casa, o amor pelo cinema de autor.
Esta semana, e grande parte da anterior, dediquei-a ao re-visionamento do trabalho mais alargado de Alfred Hitchcock, e acreditem, quando digo "alargado" refiro-me a todos, mas, mesmo todos os seus filmes (incluíndo médias-metragens, documentários e corpo de trabalho britânico) exemplo: "The Ring" - 1927.
Como me oferece o devido prazer fazer estas coisas completamente díspares para muitos, e, como também, me estou positivamente marimbando para tudo o resto, deixo-vos aqui, um pequeno documentário ('55 mts.) sobre este maravilhoso génio. Apreciem.





Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…