Avançar para o conteúdo principal

Antes queria que um Dinossauro me fosse ao cú!


O Povo diz sempre coisas muito bem ajustadas às determinadas situações, derivadas de milénios incontáveis de sabedoria popular acumulada. Exemplos são desnecessários aqui, pela sua redundância. Cada um integra o seu próprio povo interior, e por isto mesmo, cada um também açambarca a sua própria sabedoria hereditária.
Mas isto só vale se distante do "dia das mentiras" - por isso escrevo-o hoje e não ontem - Cada verdade pessoal necessita dessa distância ao teatro comum dos dias enganadores, que, infelizmente, já nem se restringem apenas ao 1º de Abril.
O Facebook (odeio-o ou odeia-me ele) é o melhor exemplo desta coisa insidiosa de se dizer sem alma de sabedoria passada, sem a constância de uma observação prolongada. - Diz-se. Dizem-se coisas e até há quem as justifique depois, por acreditar que uma justificação vale pela verdade, por trás da encenação primária do que foi dito de início.  
Esta estória de validade ignóbil, está repleta de campeões e detractores. Sem uma análise atenta, chega a ser impossível distinguir quem é quem, pois todos, derradeiramente, parecem iguais.
Invoca-se tudo e mais alguma coisa, sem se alcançar coisa alguma que seja verdadeira. Um bom exemplo é a poesia contemporânea; As palavras são o mais importante veículo de comunicação, de troca entre humanos, e podem marcar tão profunda e duradouramente uma relação como um gesto. Não existe quase verdade alguma nessas manifestações, só palavras atiradas ali como insistência do grotesco desafio de um palco. O teatro mais uma vez. Acaba sempre por ser tudo uma encenação mal dirigida. Parece que alguém foi designado responsável, todavia, depois surgiu algum descontente e contestou tudo, criando a cisão, o conflito.
Poder-se-á dizer que a sua opinião vale, que a sua criatividade conta. Contudo, de que adianta tudo isto se, num mundo demasiado rápido, os contempladores acabam comidos, em algum grosseiro desdém, por não saberem veicular afetos como os outros? Por serem individualistas e se sentirem constrangidos face a este mundo que quer, à viva força, ser tudo, senão isso.
Não dá para ser um normal humano num mundo de humanos "Marvel"! - Super-heróis para alguns, heróis para poucos, pessoas, para quase ninguém!
O enorme grotesco de tudo isto é a sua auto-derrocada consistente. Este modelo, quase como o do capitalismo, parece ideológico e perfeito, mas não vai durar. As mesmas pessoas que interiorizaram as suas próprias sabedorias da geração anterior, irão compreender que esta "gnosis" iminentemente imediata é tudo menos verdadeira. Estas pessoas, acabarão por interiorizar que o "Facebook" não as favorece, excepto se forem já famosas. O "Instagram" não as favorece, excepto se forem já famosas. O "Twitter" não as favorece, excepto se forem já famosas. Então, ou se assistirá à criação de uma nova rede social onde se possa realmente ser real, ou então, acabaremos todos "retro", ou "vintage", ou "famosos", um bando de desgraçados que a ninguém interessa por algum tempo mais longo.
De qualquer modo, acaba por ser um devastador axioma. Ninguém sabe como conseguir chegar a algum lado, tantas são as possibilidades, todos o desejam, poucos fazem por ser realmente eternos.
Eu, queria escrever as minhas coisas, encontrar alguém que nelas fizesse crença, e depois, existir para sempre nas vossas cabeças. Escrevo aqui e pouco mais. - Se o meu objectivo é o de me tornar famoso e pouco mais? Não, não é. O meu fito é o de existir, agora e para sempre. Pode ser assim?
O problema é que sou filho deste tempo. Um tempo errado para a minha empatia e criatividade. 
Um dia estarei morto.
Um dia serei visto como o paradigma que já sou. O "anacrónico".
Espero estar vivo nesse dia para me sentir tão morto quanto me fazem já.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…