Avançar para o conteúdo principal

O alerta ao suicídio acaba nulo


Emile Durkhein, o grande e iminente sociólogo, psicólogo e filósofo, autor d'"O Suicídio", tão commumente alardeado como o "pai da ciência social moderna"; escreveu em tempos que: "só há suicídio se o acto de que a morte resulta tiver sido realizado pela vítima tendo em vista esse resultado." - Tanta descarada redundância bacoca afligiu-me por demais então, insípidos anos noventa, sendo eu um jovem incredulamente liberto de uma pacatez quase aldeã, justamente acabado de sair fresquinho da sua pequena terra insossa para outra, muito mais fervilhante de atrações intelectuais, sexuais e em geral desiguais da sua origem, onde tanta nova gente tão efervescente em comparação com a sua própria palidez gratuita de nascença, o despertavam. 
Quanto mais não seja pelo facto de que tal insensatez tão disparatada ter sido proferida por alguém de tão grande monta cientifica ainda o fazer agora. Suponho que a desfaçatez dita ou escrita, nunca carrega em si qualquer prazo de validade.
Pois creio veementemente ser contra-natura afirmar tais despropósitos, mas, como não sou nenhum Durkhein que conte com algum nome ilustre, ficar-me-ei por aqui, no que a tal diga respeito.
Contudo, por trivial obrigação, fincou-se-me no crânio esta absurda redundância imbecil, pela mera obrigação de a ter lido e malogradamente encornado, por força de tentar ser um bom e regrado aluno, da cadeira do curso que ma exigia, devorando desse modo este "tomo" feito programa de disciplina, levado ao prelo, na sua 4ª edição pela Editorial Presença, corria o ano de 1987.
Todavia, nem tudo se enterra no antanho em que foi idealizado e posteriormente escrito. - Durkhein disse também que: "quando há guerras e revoluções, a depressão diminuí nas mesas gigantes de gente pequena, assim como também o próprio ímpeto do suicidío". - Isto já me fervilhou um ou dois espasmos mentais. - Que coisa tão boa de ser escrita.
Ora bem, a sermos justos com a nobre grandeza dos idos autores bem pensantes, será igualmente razoável não os julgarmos apenas pelas falhas ocasionais de brutalidade inglória. Há que separar ajuizadamente o convindo "trigo" do desgraçado "joio".
"Tudo reverte à revolta" - Disse ele. E realmente, existe qualquer coisa de poética beleza neste pequeno trecho ensaísta. - " As pessoas rebelam-se nestes momentos fundamentais da história. Só quando não o fazem, é que se suicidam."
E devo confessar-vos justamente agora, que, com mais de vinte anos em cima de empinanço em cima, se tornou impossível para mim, manter algum tipo de postura pseudo-intelectual pomposa. - Sim, a enorme proeza do seu texto só mesmo agora me atingiu em definitivo. A nulidade humana face à sua própria inadequação, não quer ser fraca, mas é. Todos nos sujeitamos, de tempos a tempos, vez por outra, a perdermos a capacidade da veemência revoltosa.
Imaginamo-nos sempre fortes e poderosos (são as raízes genéticas e ancestrais pré-históricas que a isso nos impelem) . Revoltados ou revoltosos desde a nascença. Gritarias e fúrias incessantes. Suicídio!
Quando na realidade se torna impossível sermos humanos de alguma forma mais ou menos graciosa. Alguns são como carneiros bem comportados. Carecem dessa mesma agressividade hereditária, porque a suprimiram nalguma lugar obscuro da fronteira que todos nos divide.
Mas o Durkhein não escreveu nenhum disparate, acreditem. - Se lhe acreditarmos somos cépticos malditos. Se duvidarmos, meros tolos.
Suicídio? Quem poderá saber se não seremos meros estorvos para quem nos quer por tudo. Puros, tão puros transeuntes de um caminho nem haveríamos de ter percorrido.
Suicídio? Porque não. Nem todos 
Por cada novo ciclo Humano, fechado em si mesmo, nenhum se acharia em si mesmo, ou quanto muito em sua substituição. Queremos ser Sois e laivos de luz, é a outra parte de nós que persiste por inerência à vontade de persistir, ainda assim, na maior parte, somos dias inenarráveis, e, rais' me parta, o "suicídio" sabe tanto a solução que parece que andámos há anos a salvar Deus de si próprio.


Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…