Avançar para o conteúdo principal

Música para Falhados Sentimentais





... e nem me digam que chorar sal de Calimério ao ver um filme com o Hugh Grant e a Drew Barrymore, a cantarem isto, é coisa digna de algum "panilas" destroçado, ou de uma qualquer mulher violentamente descartada de alguma relação em que acreditava a pés juntos. 
Não! Não é de todo. - Aliás, tomem lá cuidado com os estereótipos, porque ninguém sabe futuramente onde e por quem se poderá desfazer por completo, num instante fortuito do seu tempo "feliz" de vida. 
Porque emocionalmente estamos todos atirados à mesma incerteza, ao inevitável desígnio de nos despirmos involuntariamente perante o que o resto da vida nos reserva. Somos desleixados por natureza nas razões lógicas face às emoções, que realmente nos controlam, e depois é isto; acabamos numa quarta-feira de manhã a chorar baba e ranho, perante um filme fundamentalmente medíocre, mas cheio de uma qualquer sonoridade misteriosa que nos coloca nesta posição de vulnerabilidade.
Muitas vezes, como esta, nem é sequer a incerteza sentimental do "amor" que nos arromba os sentidos. Em grande parte dos casos, como este, acaba por ser a predisposição ao acaso inexorável da vida, que se perdeu em inutilidades ou em más decisões, que nos entrega, de bandeja, a este estado inglório de falha crítica. 
Em efeito, ao longo deste percurso, tornámos-nos gritos sem voz. GRITOS SEM VOZ! Gritámos e gritámos, interiormente apenas, e ninguém exterior nos escuta. 
Sentimos que falhamos em algo e auto-destruímo-nos na busca dessa explicação tão óbvia. 
Por vezes, ver e ouvir filmes assim poderia ser um apelo aos mais atentos. Mas, e se ninguém estiver atento? - Continua o processo de auto-destruição, seja pelo álcool, pela inação absoluta, por comer demasiado, por fumar até além do próprio vício. Pela auto-deturpação da saúde covarde. Faltando-nos a coragem para o suicídio limpo e eficaz, resta-nos a morte lenta da auto-destruição.
Torna-se num percurso anunciado, anunciado mas jamais concretizado. Querer a morte e não morrer de todo, incrementa-nos a sensação de frustração.
Lembra-me um outro filme superior; "Leaving Las Vegas" - "I'll tell you, right now... I'm in love with you. But, be that as it may, i am not here to force my twisted soul into your life. "
Pois não. Apaixonaram-se entre o caminho determinado à morte. Nada disto significa mais ou menos amor, apenas a difusão deste na relação que os une até ao fim desse caminho. 
No fim de contas, procurando-o ou tendo-o já encontrado, o Amor nunca nos define realmente, apenas o que dele fazemos se torna na nossa vida final.
Se nos deparamos com alguém cujas frustrações forem tão determinadas no seu percurso de vida, e se nos apaixonarmos por essa criatura, o melhor mesmo será aceito-la e amá-la até ao seu fim, como a Elisabeth Shue fez com o Nicholas Cage. Como a Drew faz com o Hugh.
Falhar também pode ser uma opção num mundo emocionalmente imperfeito. E quem disser o contrário vai ter de se haver com uma realidade que afirma e afirma-nos constantemente a disparidade inaudita da perfeição.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…