Avançar para o conteúdo principal

Música para Falhados Sentimentais





... e nem me digam que chorar sal de Calimério ao ver um filme com o Hugh Grant e a Drew Barrymore, a cantarem isto, é coisa digna de algum "panilas" destroçado, ou de uma qualquer mulher violentamente descartada de alguma relação em que acreditava a pés juntos. 
Não! Não é de todo. - Aliás, tomem lá cuidado com os estereótipos, porque ninguém sabe futuramente onde e por quem se poderá desfazer por completo, num instante fortuito do seu tempo "feliz" de vida. 
Porque emocionalmente estamos todos atirados à mesma incerteza, ao inevitável desígnio de nos despirmos involuntariamente perante o que o resto da vida nos reserva. Somos desleixados por natureza nas razões lógicas face às emoções, que realmente nos controlam, e depois é isto; acabamos numa quarta-feira de manhã a chorar baba e ranho, perante um filme fundamentalmente medíocre, mas cheio de uma qualquer sonoridade misteriosa que nos coloca nesta posição de vulnerabilidade.
Muitas vezes, como esta, nem é sequer a incerteza sentimental do "amor" que nos arromba os sentidos. Em grande parte dos casos, como este, acaba por ser a predisposição ao acaso inexorável da vida, que se perdeu em inutilidades ou em más decisões, que nos entrega, de bandeja, a este estado inglório de falha crítica. 
Em efeito, ao longo deste percurso, tornámos-nos gritos sem voz. GRITOS SEM VOZ! Gritámos e gritámos, interiormente apenas, e ninguém exterior nos escuta. 
Sentimos que falhamos em algo e auto-destruímo-nos na busca dessa explicação tão óbvia. 
Por vezes, ver e ouvir filmes assim poderia ser um apelo aos mais atentos. Mas, e se ninguém estiver atento? - Continua o processo de auto-destruição, seja pelo álcool, pela inação absoluta, por comer demasiado, por fumar até além do próprio vício. Pela auto-deturpação da saúde covarde. Faltando-nos a coragem para o suicídio limpo e eficaz, resta-nos a morte lenta da auto-destruição.
Torna-se num percurso anunciado, anunciado mas jamais concretizado. Querer a morte e não morrer de todo, incrementa-nos a sensação de frustração.
Lembra-me um outro filme superior; "Leaving Las Vegas" - "I'll tell you, right now... I'm in love with you. But, be that as it may, i am not here to force my twisted soul into your life. "
Pois não. Apaixonaram-se entre o caminho determinado à morte. Nada disto significa mais ou menos amor, apenas a difusão deste na relação que os une até ao fim desse caminho. 
No fim de contas, procurando-o ou tendo-o já encontrado, o Amor nunca nos define realmente, apenas o que dele fazemos se torna na nossa vida final.
Se nos deparamos com alguém cujas frustrações forem tão determinadas no seu percurso de vida, e se nos apaixonarmos por essa criatura, o melhor mesmo será aceito-la e amá-la até ao seu fim, como a Elisabeth Shue fez com o Nicholas Cage. Como a Drew faz com o Hugh.
Falhar também pode ser uma opção num mundo emocionalmente imperfeito. E quem disser o contrário vai ter de se haver com uma realidade que afirma e afirma-nos constantemente a disparidade inaudita da perfeição.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…