Avançar para o conteúdo principal

More than this... não sei.



Se não estiver em alguma lista de melhores álbuns de todos os tempos, passa a estar agora ( ao menos numa lista minha e só minha!) - "Avalon" dos Roxy Music, marcou-me a pobre carne auditiva e sensitiva, com um erotismo simples mas eficaz quanto baste ao tempo da minha juventude.. 
Lá, do longínquo ano de '82, rais' me partam, continua a fazê-lo, por isso se mantêm no meu "Top" 50 de grandes álbuns de sempre. 
O 10º e último tema deste disco,;"Tara" (divinamente e exclusivamente instrumental, como num sonho iridiscente de entregas, avanços, retrocessos e considerações) continua a arrepiar-me os poros menos desavisados desta pele que me cobre o corpo mais sobranceiro da minha existência. Aquela pele que me guarda a arte toda num casulo uno. De graça.
Todavia, tudo o que é aqui dito, não passa somente de uma preferência muito pessoal. Sou aquele que ressalva o "Coimbra B" no melhor álbum de sempre dos GNR, "Psicopátria". - Ouso até dizer, o melhor álbum português de sempre.
Determinadas coisas não foram feitas para explicações arranjadas ao sabor níveo dos excelsos "conhecedores", brilhantes apenas na suja era digital.
Ditas listas são feitas e desfeitas ao correr dos anos, porém, linearmente alheio ao cuspo desses subjugados, há que pôr a mão no passado mais recente e encontrar pérolas, onde elas ainda existam.
Assim é o caso deste disco dos "Roxy Music" um grande feito no panorama Pop Musical Inglês dos anos Oitenta.
Que se fodam as listas dos entendidos, " Tara" remete-me no nome ao " E Tudo o Vento Levou", e logo me transporto ao romantismo de outros tempos e lugares muito melhores que os meus, mas sobretudo, arrepia-me sempre que ouço esta divina peça musical de alguns segundos, por ser apenas musicalmente perfeita e nada mais. Nada de excisões rebuscadas daquilo que poderá ser, mas que provavelmente não o é de todo. (Sabê-se lá! Alguém conhece o Bryan Ferry ou algum outro membro dos Roxy Music? Alguém, eventualmente quererá lançar-lhes estas questões? 
O saxofone, fagote, ou clarinete (não faço ideia - tenho de ir ver) que apoia esta canção, coloca-me a evidência misteriosa em sentido, o quase fragor da ondulação subjacente entrega-me sempre aos lugares onde fui mais feliz. E eu gosto disso, gosto de me sentir feliz, quando ouço uma música ou de outro modo qualquer. Gosto de não saber porra nenhuma, imaginar-me feliz e deitar-me apenas no sofá a renascer, aos poucos.










Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…