Avançar para o conteúdo principal

Sozinho se faz melhor o caminho...?





(...) O choque causado por este abominável silêncio, cujo desfecho parecia encarnar de uma forma fatídica, a ameaçadora malignidade destes momentos, que, para cúmulo nem sequer se relacionavam bem com o sentido clássico do amor, trespassou-o. Todas as ideias, más ou boas, ou são redentoras ou nos destroem completamente. Augusto Rego vivia numa montanha. Às vezes até parecia que descia sem rumo até à cidade. Era mentira. (...)

Excerto de: "Um Cão chamado Medo", um dos cinco contos que integram "Estórias de Amor para Desempregados" novo livro de Miro Teixeira.


Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.