Avançar para o conteúdo principal

O meu pai em tempos quis chamar-me Reinaldo, mas depois, veio-se a ver, tinha bom gosto.


Ronaldo, Ronaldo, Ronaldo... Moço tão bonito e brilhante que ascendeu da lama, qual lesma improvável, redobrado esforço intentaste e assim esforçaste muito trabalho de pés, cabeça e peito cheios de gana de ser o melhor. Claro que também muito labor aconteceu fora de cena, foste conduzido a iluminar meio mundo agarrado a um campo só teu, cheio de relva e suor, como uma veia empolada, que saltita excitada, a aguardar a próxima dose.  
Sim, és lindo e possante como um cavalo lusitano bem treinado, mas, quando é que deixas de ser o eterno protagonista e passas a ser o nosso silencioso herói?
Ou será que neste jardim não podem haver tais heróis?
Começo a acredita-lo.
Por um lado é extraordinário o que por vezes fazes. Ainda hoje o fizeste de calcanhar e de cabeça também. Caramba, que inspiração do caralho! - Por outro, consegues alienar tantas vezes os restantes patriotas, como os melhores arrombadores de espírito o sabem fazer, e depois é o comportamento tão boçal, Jesus, a costumeira "overdose" de ego inflado, o cabelo excruciantemente bem aparado e determinado nas bolas aéreas, e o teu ensaiado riso suspenso de intenções, implantado em titânio nas nossas possíveis esperanças de glória. - Porra miúdo, deixa de ir ao salão de bronzeamento durante os torneios da Selecção! Eu sei que és sempre o que fica até mais tarde a treinar, é isso que te eleva nos nossos corações...só que...
Ronaldo, Ronaldo, fazes sempre tudo tão incrível que nada menos que isso nos chega, mas acaba por não haver pica alguma meu rapaz!  O absurdo do teu brilhantismo parece só reservado à fonte avassaladora de antigas pesetas. Queremos portugueses heróis como nos tempos em que fomos os maiores. Traidor? - Não, não. Isso seria exagerado. - Ficamos em terceiro e marcaste em quatro fases finais de Europeus, mas ninguém te informou o que os espanhóis são, e que sempre foram os nossos inimigos figadais? - Quem diz espanhóis diz croatas. - Chiça! Só sorrisos misteriosos nos momentos mais impróprios. Tudo bem. - Há que haver gente para tudo e para todos. É certo que já mal suporto ouvir o teu nome, ou quiçá olhar para a tua cara nos jogos, nos anúncios então, prefiro nem mencionar aqui o constante reflexo de vómito. 
Porra miúdo, queremos é ganhar! Tu não queres ser o português que fez assim e assim, e por aí fora? - Contentas-te com a imagem e os restantes que nem gostam de futebol tem de aceitar-te como és? - Foda-se! - Perdoa-me o francês de marinheiro, mas a selecção é a minha única equipa, logo, sinto-me no pleno direito de dizer tudo o que me perturba.
Pois, até marcas-te dois golos (fantásticos) contra a Hungria, hoje mesmo, contudo rapaz capitão, se é que queres saber, sinto-me como o futuro pai que fez tudo o que devia mas não chegou sequer a ejacular no local devido.
Ah, queres que seja mais coloquial? - Sim, eu posso. isto é um blog pessoal, não é o "observador" onde deixam qualquer um escrever: Como adepto da Selecção estou decepcionado...pior, estou fodido mesmo!
Descansa rapaz! Este não é mais nenhum desses textos ambíguos que parecem arrasar-te e depois, vai-se a ver, é só elogios e abraços à distância. Não, sossega lá, não me atires o "blog" à água num gesto de impulso adolescente, sim? 
Sabes Ronaldo, sempre fui um tipo medíocre e invejoso, mesmo. Um mau indivíduo em todos os aspectos relevantes da humanidade exclusivamente lusa. 
O que queria mesmo era pensar pouco e chutar como um deus. Teria tudo perdoado e no fim até, me abraçariam como se lhes tivesse salvado o filho da perdição da toxicodependência. 
Adoro-te quase como se até fosses português. Por isso, vê lá se começas a ser o capitão que precisámos e põe essa Selecção a ganhar, sim!
Ah, só mais uma coisa; Vai-te foder sim?


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…