Avançar para o conteúdo principal

O meu pai em tempos quis chamar-me Reinaldo, mas depois, veio-se a ver, tinha bom gosto.


Ronaldo, Ronaldo, Ronaldo... Moço tão bonito e brilhante que ascendeu da lama, qual lesma improvável, redobrado esforço intentaste e assim esforçaste muito trabalho de pés, cabeça e peito cheios de gana de ser o melhor. Claro que também muito labor aconteceu fora de cena, foste conduzido a iluminar meio mundo agarrado a um campo só teu, cheio de relva e suor, como uma veia empolada, que saltita excitada, a aguardar a próxima dose.  
Sim, és lindo e possante como um cavalo lusitano bem treinado, mas, quando é que deixas de ser o eterno protagonista e passas a ser o nosso silencioso herói?
Ou será que neste jardim não podem haver tais heróis?
Começo a acredita-lo.
Por um lado é extraordinário o que por vezes fazes. Ainda hoje o fizeste de calcanhar e de cabeça também. Caramba, que inspiração do caralho! - Por outro, consegues alienar tantas vezes os restantes patriotas, como os melhores arrombadores de espírito o sabem fazer, e depois é o comportamento tão boçal, Jesus, a costumeira "overdose" de ego inflado, o cabelo excruciantemente bem aparado e determinado nas bolas aéreas, e o teu ensaiado riso suspenso de intenções, implantado em titânio nas nossas possíveis esperanças de glória. - Porra miúdo, deixa de ir ao salão de bronzeamento durante os torneios da Selecção! Eu sei que és sempre o que fica até mais tarde a treinar, é isso que te eleva nos nossos corações...só que...
Ronaldo, Ronaldo, fazes sempre tudo tão incrível que nada menos que isso nos chega, mas acaba por não haver pica alguma meu rapaz!  O absurdo do teu brilhantismo parece só reservado à fonte avassaladora de antigas pesetas. Queremos portugueses heróis como nos tempos em que fomos os maiores. Traidor? - Não, não. Isso seria exagerado. - Ficamos em terceiro e marcaste em quatro fases finais de Europeus, mas ninguém te informou o que os espanhóis são, e que sempre foram os nossos inimigos figadais? - Quem diz espanhóis diz croatas. - Chiça! Só sorrisos misteriosos nos momentos mais impróprios. Tudo bem. - Há que haver gente para tudo e para todos. É certo que já mal suporto ouvir o teu nome, ou quiçá olhar para a tua cara nos jogos, nos anúncios então, prefiro nem mencionar aqui o constante reflexo de vómito. 
Porra miúdo, queremos é ganhar! Tu não queres ser o português que fez assim e assim, e por aí fora? - Contentas-te com a imagem e os restantes que nem gostam de futebol tem de aceitar-te como és? - Foda-se! - Perdoa-me o francês de marinheiro, mas a selecção é a minha única equipa, logo, sinto-me no pleno direito de dizer tudo o que me perturba.
Pois, até marcas-te dois golos (fantásticos) contra a Hungria, hoje mesmo, contudo rapaz capitão, se é que queres saber, sinto-me como o futuro pai que fez tudo o que devia mas não chegou sequer a ejacular no local devido.
Ah, queres que seja mais coloquial? - Sim, eu posso. isto é um blog pessoal, não é o "observador" onde deixam qualquer um escrever: Como adepto da Selecção estou decepcionado...pior, estou fodido mesmo!
Descansa rapaz! Este não é mais nenhum desses textos ambíguos que parecem arrasar-te e depois, vai-se a ver, é só elogios e abraços à distância. Não, sossega lá, não me atires o "blog" à água num gesto de impulso adolescente, sim? 
Sabes Ronaldo, sempre fui um tipo medíocre e invejoso, mesmo. Um mau indivíduo em todos os aspectos relevantes da humanidade exclusivamente lusa. 
O que queria mesmo era pensar pouco e chutar como um deus. Teria tudo perdoado e no fim até, me abraçariam como se lhes tivesse salvado o filho da perdição da toxicodependência. 
Adoro-te quase como se até fosses português. Por isso, vê lá se começas a ser o capitão que precisámos e põe essa Selecção a ganhar, sim!
Ah, só mais uma coisa; Vai-te foder sim?


Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…