Avançar para o conteúdo principal

A minha sala poderia aparecer numa entrevista.


Entra-se e logo se torna improvável o engano casual; Eis os signos definidores de uma cultura coligida:  A soberba pretensiosa de um Homem culto. 
Ali está tudo superpovoado, seja a biblioteca, a cinemateca ou o vocativo acervo musical. As fotografias, os quadros, a janela com cortinas duplas para não entrar a luz, e os dois gatos sonolentos, demasiado afáveis entre tantos tesouros perturbadores.
É como se nada disto conseguisse fazer frente a uma frase bem dita, ou se tornasse numa condição da qual não se sai ileso de alguma estupidez. Semelhante à da própria filosofia, essa pergunta sem resposta em que se integram todas as perguntas e respostas, num movimento instável e perpétuo.
Para quê recolher e armazenar objectos e perguntas como se fossem parte fundamental de algum futuro? 
O Homem culto não aprendeu ainda o essencial da existência humana. Que existir não é uma doença de acumulação, é um desprendimento puro.
Quanta soberba!
Amanhã soltarei os gatos à aventura da sorte e venderei toda esta quinquilharia no OLX.

Depois, ficarei a aguardar pelo vosso contacto.

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…

Constante de Planck

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.