Avançar para o conteúdo principal

Torturas de Desassossego.


As pessoas passam rápidas lá em baixo, porque eu canto mais alto do que o costume.
Quão estranha consegue ser esta fuga contra o absurdo.
Gatos felizes, cortinas corridas e uma barba a crescer sem freio.
Mal ponho um pé na rua, a minha vida é esta, uma jaula hermética,
concentrada no medo dos que fogem da minha voz,
e do terror de entenderem o meu deslumbrante meio.
Lutar...lutar...lutar...
a favor de tudo contrário ao que me querem mudar,
nesta democracia mentida de nos mostrarmos mais e mais...
É que, ainda não encontrei em mim nenhum dia pressuposto a ser mais acomodado
ao que pressinto ser o dia mais comum do atroz!
Quando deixar de ver ricos Jipes a transgredirem o espaço normal das crianças,
e a imensidão do fluente negócio franchisado de "rent-a-car"
talvez integre algum fileira ignóbil de filhos e pais,
juntos, (porque não?)
contra o mundo alterado
na minha janela de enormes sentidos desiguais.
Encolher-me-ei à minha habitual nulidade e deixarei de ser tão incómodo.
Jamais pretendo ser alguma espécie de humana ilusão.
Falo Jipes como quem diz "Likes".
A aceitação desmedida, transtorna-me demasiado.
É assim que se processa o mundo real na minha cabeça.
Eu, versus o que pensam ser normal.
Ou melhor: O normal desaba face à minha aceitação
do que é humano em geral.
O que é Humano em geral, não se presta ao que é comum para qualquer criança.
Logo, tudo é
combate...combate...combate...
Combate o que é normal até seres uma aberração inaceitável.
Só então ficarás sujeito a algum escrutínio.
Mas, nem todos os mais aberrantes passam neste crivo.
A maior parte acaba mesmo famosa, porque deu algum passo extra,
nalgum lodo primordial,
que nem sequer estava no guião.
Portanto, vejamos...
Queres ser somente uma meia-aberração?
Entre o que parece e o que é?
um peão abusivo a caminhar para o seu fim,
nesta instalação excessiva de tempo desaproveitado?
Entre a existência real e a vida desnecessária?
Entre seres luz e acabares nas páginas de tudo quanto existe na maior ficção de todas?
Ah, sim!
Um destes dias,
acabarei morto numa valeta, porque nunca quis ser adequado.
Convêm saber que o poeta, já não passa somente de um pé sujo
no corpo de uma ópera reduzida a uma só ária.
Ah!
É assim então que este corpo acabará tão desaproveitado?
Ok!
Compreendo por fim, o fim que me foi há muito ditado.

Idiota!
Idiota!
Idiota!
Como deve de ser.
Como deve de ser.
Como deve de ser...pois de outro modo matem-me apenas!

Miro Teixeira
(Quase 2016)
Por Publicar



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…