Avançar para o conteúdo principal

Mandato de despejo aos mandarins



Dias desabotoados como amarrotadas camisas,
marinheiras e feias.
Não faz mal nenhum ser feio até ao fundo.
O pior são as noites que terminam os dias já por si acabados,
ou as mornas madrugadas a forçarem só olhos tapados,
como nos imensos festivais.
Ou mesmo a inépcia lamacenta, onde me entrego e afundo.
O pior é ser sujo e desperdiçado por todo!
Algures, haverá um rio extenso a correr livre entre os sulcos mais perfurados,
nalgum campo disperso, encravado entre duas belas aldeias,
ou alguma praia desconhecida, só falada em sussurros pelas suas boas brisas.
Nunca as descobrirei aqui metido neste lodo.
Num mundo escasso de pessoas iguais,
os que tudo ignoram são e serão, sempre, os mais afortunados.
Adiante...
Noites suadas ao som inteligente de um David Bowie falecido.
É hora de pagar a luz antes que algum deus descubra a minha morte,
e me cobre os impostos atrasados da não-existência.
Nunca lhes quis fazer mal, mas fui fazendo-o, só por acaso,
pois o acaso é dos padrastos o menos compadecido.
Na verdade, a culpa foi do anel de noivado que nem sequer fingia ser diamante,
depois chegou a hora final, como que num vazamento,
deixei-me ir, e, sem alvoroço ou alarido,
acabei numa vida que começou definida com um prazo.
Não conheço ninguém que implorasse pela minha permanência,
agora, ou em nenhum outro momento.
Tomara que alguém me tivesse dado ordem de despejo,
entre o caudal dos anos e a filosofia real da vida.
Significaria menos cigarros fumados,
Menos copos bebidos,
Mais viagens e pessoas com as quais quase me comprazo.
Mas não, acabou tudo nesta ignóbil contagem decrescente
até à noite onde todos os dias começaram acabados.
Se tivesse sido mais homem,
em vez deste conjunto de actos indecididos,
quiçá estivesse ainda vivo e este poema não fosse assim, tão inclemente!





Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…