Avançar para o conteúdo principal

Lá ao longe havia um tempo



Nenhuma árvore se importou com a loucura do nosso vento
nenhum pássaro caiu atordoado desse céu onde jaz.
Nem os montes mais distantes
se abateram ou se elevaram sobre o ar onde repousa,

o vazio total do meu desalento.
Ou cresceram folhas ao contrário, em lugar de palavras,
frias, como primaveras deixadas ao acaso, pendentes.
Tudo isto aconteceu faz tanto tempo
que os dias não avançaram, foram contados para trás
murchados em horas de dúvidas onde a noite pousa
a ruína desta história de amor e tempestade.

Quis contar-te sobre as magnólias em flor,
sobre a urze de teias e sobre o pico da criação.
Quis escrever-te o mundo num peito só de terra.
Pintar-te o mar no olhos num azul brando de acalmia.
Quis pisar o verde da erva, passada já a geada da sua destruição.
Contar abelhas ou joaninhas entre as flores do nosso dia.
Anotar todas as inflexões da tua boca
entre trinar de um pássaro e o assobio da minha dor.
Nenhuma vastidão presenciou o fim da nossa idade
Nem uma réstia de luz ali ficou, ao alcance desta mão.

A cicatriz daqueles campos há-de sempre permanecer
cheia de dentes de um sangue que a noite esconde.
Quatro riscos de um eterno outono,
perfilados num horizonte que jamais quererei ver.
E que te peço também que mais ninguém o veja.
Mas onde estiveste tu durante esta estação, onde?
Descobri-te entre um sono profundo e a luz do dia seguinte.
Pois que assim seja!
Cairemos os dois no lugar deste tão doce morrer.
Em ti adormeço, como o orvalho num prado.
Até a noite que é a noite, morre sempre de manhã,
quando a luz derrete a água que dorme aqui ao meu lado.

"Jardins Exaustos de Pele e Osso"
Auto-publicação 2015


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…