Avançar para o conteúdo principal

Um dia o Jim Morrison perceberá isto.


O fim da manhã deste último dia poderá ser só um quarto.
não vejo melhor forma de lhe contar os inevitáveis desencontros,
entre fazer as camas, dar de comer aos gatos e preparar o pudim de pão
para o jantar de logo mais, com desconhecidos de verdade,
a mesa inteira povoada de desconhecidos.
Alongada, não, redonda, não, oval... talvez (não).
O princípio de tarde deste dia será uma perfeita cidade.
As ruas molhadas, as belas donas de cães estranhos a passearem-nos
e nos canteiros públicos, indigente, entre tanta merda, a relva continua por aparar.
Ergo-me da periferia dos últimos dias demolidos,
e procuro a razão deste fim, entre as calças penduradas ao través
nos cabides desalentados, e as toalhas de banho que apanho do chão.
Chamo-te pela casa vazia como se rezasse ao nosso mar.
Serei sempre um homem rude, e estes acabam assim, destruídos.
Tu já deverias saber que só assim poderia acabar.
Deixas-me publicar este desconforto exposto em osso ao assédio social?
Meu Deus! Em que idade da nossa vida permitiste que me tornasse
um parasita assim, tão inexpressivo, tão igual?
O principio da noite deste nosso dia é um país.
Ocorreu-me que preciso das coxas para o arroz, da banha e do Alentejo.
Há aqui um interlúdio qualquer. A necessária revolta da passagem do dinheiro
de mão em mão.
O pudim coze em banho-maria, os gatos dormem, cada um no seu mundo magistral
e as camas estão tão sossegadas, que até assustam.
Fala, peço-te! Diz!
Não terei já cumprido todos os meus castigos?
Digo-te mais isto: nenhum perdão, nenhum, nenhum perdão!
Voam ténues desperdícios no ar silente lá de fora.
Preciso também de botões de cravinho e de esquecer que hoje é sexta-feira.
Não me parece existir outra maneira,
de aceitar este inevitável agora.
O fim da noite deste dia maldito é um continente.
Tudo fingido a parecer serem nuvens passageiras.
Já nem no fogão tenho fogo. É tudo electricidade inexplicável.
Escapa-me a ascensão do membro que não mente.
Iludo-me por acreditar que é no bar que a existência se torna viável.
Bolas! Falta-me engomar a boa toalha de mesa.
A pior hipocrisia de todas é a vontade de agradar ao desconhecido.
Dêem-me alguma crença melhor que esta para acreditar
de olhos fechados.
Dêem-me o castigo merecido,
mas não trocem mais com os meus sorrisos encenados.
O princípio do próximo dia a seguir a este último dia é um Hemisfério.
A loiça acumulada na banca, e os restos de...
Meu Deus, os restos! A cozinha inteira fede a mau discernimento,
como se se pudesse lavar convenientemente o esquecimento!
Obrigado pela existência, mas para mim já chega.
Todo este dia final, foi algo que nunca quis.
Agora, vou dormir e esperar pela eternidade distante.
Ficaram três coxas a boiarem num mar de arroz aglomerado
dentro de um Tupperware de Take-Away.
Poderás come-las amanhã, e continuares a ser feliz.






Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…