Avançar para o conteúdo principal

Oh Lucille que fizeste tu?




A equipa de produção da série "The Walking Dead" não tem nada de estúpida. Claro que sabem que neste momento, milhões de fãs se encontram roídos de ansiedade com o estonteante final da mid-season 6, sobretudo com Negan, quiçá o mais perfeito vilão em toda a série, mas estão perfeitamente cientes sobre o que andam a fazer: As pessoas andam a falar sobre o assunto! 
- Atenção que se ainda não viu o episódio da última segunda-feira este texto vai-lhe estragar o suspense. - Quem terá sido o infeliz, e querido personagem, que "Lucille" (este é o nome que Negan atribuiu ao seu taco de baseball de estimação, a sua arma preferida, incrustada com arame farpado), terá sido transformado numa espécie de polpa disforme de carne, sangue e ossos esmigalhados?
Alguns sugerem ser possível alinhar o ângulo de onde Negan se posicionava, para determinar a sua vítima. Outros apontam que a sombra que percorre o rosto do Rick sugere que seria alguém à sua esquerda (Maggie)?




Algumas explicações chegam ao absurdo de afirmar que nem o próprio actor, cujo personagem viu o seu fim no percurso desta série mítica, o saberá, pois a cena sobre a perspectiva da vítima, não terá sido ainda filmada.
Nada do que tem sido dito contêm grande substância. O criador da série, Robert Kirkman  ainda vem ajudar à festa dizendo que existem pistas durante o episódio que indicam (mais-ou-menos) quem iria morrer, porém, nenhuma destas aparenta ser ainda que remotamente óbvia. As mais pertinentes claro, parecem ser as cenas da despedida de Eugene e a atitude de desafio de Abraham face a Negan.
Uma coisa é certa: Ver e rever os últimos minutos do episódio de pouco adianta.
Pessoalmente, creio que assistiremos malogradamente, no início da próxima temporada, ao fim do nosso ex-entregador de pizzas favorito: Glenn!


Lamento-o, mas, como aqueles fãs mais ferrenhos (os que efectivamente conhecem o enredo na banda-desenhada) sabem, aí, no papel, Negan mata o resiliente e sensível coreano, num dos momentos mais brutais de toda a série.
Agora, antes de enlouquecerem com tanta especulação e diz-que-disse, ide lá ver novamente, não apenas a última cena, mas todos os 16 episódios completos desta última temporada. Não se esqueçam que a próxima ainda se encontra, grosso modo, a uns seis meses de começar.
Estes tipos são ou loucos ou génios ou ambos, e adoro tudo isto. TWD Freak Assumido!


(Todas as fotos de acesso livre, retiradas da Internet)

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…