Avançar para o conteúdo principal

O Erro Fatal de Humberto


Foi um erro ter aprendido as palavras.
Renuncio-as todas agora,
por ser já incapaz de as desaprender.
Disponho-me a viver o que me resta,
num mundo fictício,
onde nada, jamais, signifique o que me apetece dizer.
Faço esta promessa modesta,
até que por fim,
as mais belas palavras de todas, se juntem,
e jurem alguma engenhosa e feroz vingança,
contra mim.
Deixem-me aqui no fundo desta alucinação,
tenho esta minha loucura indelével,
que já nem suporto.
É como se caminhasse vendado,
sem esperança de digna execução.

Já não me importo,
se os mais quietos sentidos de todos,
me tolherem, ferirem, me fizerem sangrar.
Também não me farão diferença
as lágrimas de olhos mais rudes que os de uma criança.
Temo apenas o erro que me fez começar.
E é uma maravilhosa justiça que o final a mim me pertença.
A tragédia que me escorre de tão medíocre língua,
é onde mereço acabar.
Entrego-me a ela, simplesmente, ansioso por ficar invisível,
depressa, depressa, depressa...
quanto mais cedo possível,
antes que me esqueça,
da minha modesta promessa.

Em concordância ficarei, inerte certamente,
só então,
face à derradeira luz do último pôr-do-sol
da minha proibida Terra.
Entenderei o quanto esta minha língua mente.
Comigo levarei a cicatriz, somente,
no invólucro selado da minha escuridão.

Nunca haveria de ter aprendido palavras,
se não quisesse acabar aqui,
inquieto.
Hei-de ter existido algures,
sem saber falar ou escrever,
nalgum distante espaço discreto,
fora da fúria da minha própria guerra.





Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…