Avançar para o conteúdo principal

Um dia para pensar em ser melhor do que Sou.


Como em muitos outros dias forçosamente celebratórios, o da mulher, deixa-me naturalmente apreensivo; senão vejam, o sofrimento, deveria aqui pesar alguma coisa fora de qualquer tabela periódica geracional, deveria ter o seu específico peso, como um mineral o tem, ainda que posto inexistente na tabela de dias excelsos por serem apenas dedicados, em vez de serem transladados ao ano inteiro, como a felicidade havia.
Sofro da má condição de não ser mulher! - Não é nenhum trauma que me conduza à cirurgia extrema, é somente uma constatação sediada na minha adulação por estas. Em cada dia dos meus anos só me apetece abrir uma prenda, e é sempre a mesma, a dela.
Isto não tem graça nenhuma e eu recomendaria que lesses outra coisa qualquer. Tomem um banho quente e leiam Anais Nin: "Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos." - É verdade. - Ide por aí a amontoar flores num cesto vazio no meio de um matagal e vereis a condição exacta dos Homens. Que absurdo género! E nem sou misógino, o que acontece é que quando se abrem os olhos, vêem-se os sentidos das letras das canções e dos poetas de Facebook. - Acontece que se vêem as mulheres fora das linhas do corpo torneado.
Porra! 
Tive uma Mãe, tenho uma Mulher, tenho uma Irmã, tenho Amigas. Sou uma parte melhor do Homem que nunca haveria de ser, atirado às exclusivas hormonas dos homens, por este contacto.
Se não for isto a celebração deste dia, deixem de ler este texto!
Não entendo exactamente porque nestes dias se vai, quase exclusivamente, buscar as noções das primeiras sufragistas, das primordiais anarquistas, em suma, das grandes purgas unitárias à condição pré-estabelecida por milénios à mulher. - Basicamente, no dia Internacional da Mulher, celebram-se conflitos longos. A profunda guerra dos sexos pelo tempo incontável.
Outro grande disparate. Quase tão monumental como o de se ser Homem.
A mulher não é nenhuma revolução, é o epíteto da filosofia democrática. Compromete-se para existir melhor, entrega-se à diária catarse feminina, ciente da sua força quase absoluta. Ainda que carregada de todas as idiossincrasias do género, melhora e constrói. A mulher labuta e nunca se compraz ou adorna compaixão oposta, só porque sim. Nunca faz greve sentada, nem se compadece por favor. Nem nunca, nunca realmente se resigna. - Manifestações e marchas, são o seu dia-a-dia, mesmo que quase sem qualquer impacto político num mundo construído fálico, avançam em pé-coxinho e ainda assim dão passos, de saltos altos, maiores que a crassa ideia de poder dos seus contra-postos.
A minha mãe, uma vez, saiu de casa, por causa de um bife duro, ou porque por fim lhe afrontou definitivamente, as normais incoerências masculinas do meu pai, que, por ser homem, nascido nos anos 30, criado nos 40 e 50 do século passado, era o Homem que muitos, ainda hoje, pensam ser exemplo do género. Mas não, não são! - Este tempo de rígidas cartilagens, durou um, dois dias, mas colocou em evidência a dependência do meu pai pela mulher. Pois esses eram os seus verdadeiros dias, e ainda hoje o são. - E não apenas por algum evento ocorrido no início do século passado.
Neste 8 de Março de 2016, o meu pai, ainda se arrepia pela falta exemplar que a companheira lhe manca, 11 anos depois da sua morte. A mulher faz-lhe mais falta que a vida.
E, a mulher não existe para nos colocar (homens) em evidência, para nos contrapôr, servir, dar prazer, deixar prole, grunhir... face à fraca evidência de algum ser divino que nos edificou, admito que, a mulher foi criada sim, para nos conduzir a algum melhor lugar, a algum melhor sentido de crescimento como espécie. E por fim, ainda nos fez e faz companhia nesse crescimento.
Todos os meus dias são dela! - Mas por favor, não digam nada disto à minha mulher, peço-vos.


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…