Avançar para o conteúdo principal

Um dia para pensar em ser melhor do que Sou.


Como em muitos outros dias forçosamente celebratórios, o da mulher, deixa-me naturalmente apreensivo; senão vejam, o sofrimento, deveria aqui pesar alguma coisa fora de qualquer tabela periódica geracional, deveria ter o seu específico peso, como um mineral o tem, ainda que posto inexistente na tabela de dias excelsos por serem apenas dedicados, em vez de serem transladados ao ano inteiro, como a felicidade havia.
Sofro da má condição de não ser mulher! - Não é nenhum trauma que me conduza à cirurgia extrema, é somente uma constatação sediada na minha adulação por estas. Em cada dia dos meus anos só me apetece abrir uma prenda, e é sempre a mesma, a dela.
Isto não tem graça nenhuma e eu recomendaria que lesses outra coisa qualquer. Tomem um banho quente e leiam Anais Nin: "Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos." - É verdade. - Ide por aí a amontoar flores num cesto vazio no meio de um matagal e vereis a condição exacta dos Homens. Que absurdo género! E nem sou misógino, o que acontece é que quando se abrem os olhos, vêem-se os sentidos das letras das canções e dos poetas de Facebook. - Acontece que se vêem as mulheres fora das linhas do corpo torneado.
Porra! 
Tive uma Mãe, tenho uma Mulher, tenho uma Irmã, tenho Amigas. Sou uma parte melhor do Homem que nunca haveria de ser, atirado às exclusivas hormonas dos homens, por este contacto.
Se não for isto a celebração deste dia, deixem de ler este texto!
Não entendo exactamente porque nestes dias se vai, quase exclusivamente, buscar as noções das primeiras sufragistas, das primordiais anarquistas, em suma, das grandes purgas unitárias à condição pré-estabelecida por milénios à mulher. - Basicamente, no dia Internacional da Mulher, celebram-se conflitos longos. A profunda guerra dos sexos pelo tempo incontável.
Outro grande disparate. Quase tão monumental como o de se ser Homem.
A mulher não é nenhuma revolução, é o epíteto da filosofia democrática. Compromete-se para existir melhor, entrega-se à diária catarse feminina, ciente da sua força quase absoluta. Ainda que carregada de todas as idiossincrasias do género, melhora e constrói. A mulher labuta e nunca se compraz ou adorna compaixão oposta, só porque sim. Nunca faz greve sentada, nem se compadece por favor. Nem nunca, nunca realmente se resigna. - Manifestações e marchas, são o seu dia-a-dia, mesmo que quase sem qualquer impacto político num mundo construído fálico, avançam em pé-coxinho e ainda assim dão passos, de saltos altos, maiores que a crassa ideia de poder dos seus contra-postos.
A minha mãe, uma vez, saiu de casa, por causa de um bife duro, ou porque por fim lhe afrontou definitivamente, as normais incoerências masculinas do meu pai, que, por ser homem, nascido nos anos 30, criado nos 40 e 50 do século passado, era o Homem que muitos, ainda hoje, pensam ser exemplo do género. Mas não, não são! - Este tempo de rígidas cartilagens, durou um, dois dias, mas colocou em evidência a dependência do meu pai pela mulher. Pois esses eram os seus verdadeiros dias, e ainda hoje o são. - E não apenas por algum evento ocorrido no início do século passado.
Neste 8 de Março de 2016, o meu pai, ainda se arrepia pela falta exemplar que a companheira lhe manca, 11 anos depois da sua morte. A mulher faz-lhe mais falta que a vida.
E, a mulher não existe para nos colocar (homens) em evidência, para nos contrapôr, servir, dar prazer, deixar prole, grunhir... face à fraca evidência de algum ser divino que nos edificou, admito que, a mulher foi criada sim, para nos conduzir a algum melhor lugar, a algum melhor sentido de crescimento como espécie. E por fim, ainda nos fez e faz companhia nesse crescimento.
Todos os meus dias são dela! - Mas por favor, não digam nada disto à minha mulher, peço-vos.


Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…