Avançar para o conteúdo principal

Diário ----- (Parte III)


Ninguém esperaria unhas afiadas ao fumar o póstumo cigarro. Alguém deixaria escapar esse fumo pela fenda dentária recém construída e cara, tão cara que nunca mais admitiria fumo algum desse mesmo sorriso endireitado? Não! Claro que não.
Todos esperariam, devidamente empoleirados nas suas próprias claridades, o bom juízo, a exponência última, o compadecimento de coração constrangido face aos primeiros sinais de demência. 
Daquele sorriso sempre aberto para um descampado de afectos. Onde todos, onde todos rumam abraçados para os outros, num velhaco compadrio de penas e solidariedade. 
Sim, é assim, uma luta desenfreada pelo conforto dos vícios. E os vícios exibem os sinais de desgraça quando sorriem demasiado, e não conheço ninguém entre estes, porque na verdade, já não os conhecia antes de me deixarem só nesta faceta de quem se preparou para se despojar de tudo.
Estou só, é certo! Desde a lata do café até ao bojo da sanita. E quis enlouquecer, assim, desta forma tão difícil 
E quis querer ser só, só porque a solidão não me confronta, não me pede explicações, e porque também os participantes da minha vida, vivem as suas próprias vidas e não estão para isto. Para esta concentração egoísta do Cidadão Miro, que, seja como for, não se preocupa com mais ninguém além de si mesmo.
- É uma existência tão igual a todas as outras que me aflige por falta de originalidade. - Terei de ser mais altruísta para parecer diferente? - Vou fumar o último cigarro outra vez.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…