Avançar para o conteúdo principal

Beber mata os Anjos novamente.



Foto: Casimiro Teixeira













Onde estão todos os anjos guardadores,
que me prometeram em menino?
Desbaratados...
Fugidos em terror, dos meus mais íntimos cercados,
andam tristemente a monte e sem sorte.
Não restou um sequer que fosse digno desse destino.
Encontrei-os a todos, ontem,
reunidos, numa noite de descobertas,
enquanto sonhava com o Marlon Brando
de um tempo anterior à sua morte,
e afligia aos gritos, o resto dos incréus moradores.
Desbaratados,
num espaço sem fim, sem ar respirável.
Quiçá só um fumo sem origem ou comando
ou um miasma reluzente,
aqui debaixo, dos lençóis e das cobertas.
E o tempo a estender-se como uma mão que cobre.
Há que vencer este tempo tão pouco admirável!
Desbaratado,
anseio pela grande partida, por viajar, por ser crente.
Fazer um safari pelas nuvens já desprovidas e saneadas

de anjos, selvas e pagodas.
Desertar todos os ninhos e a felicidade que sobre.

Encontrei-os nus sabem? Tremendo, como virgens recém violadas.
E ri-me tanto, Ah, rir é coisa de quem nunca desmente.
Pode-se fingir o riso numa física de modas,
mas nenhum será igual à fúria da verdade.
Triste desbarato, tão triste ser acabado.
Desbaratado.
Mas, foi o que o foi. Excisão de alegrias e dores.
Por dentro dos sonhos invertem-se as imagens.
Agora escrevo sem vontade alguma. Faltam-me anjos nas palavras.
O poder jaz noutro lado e eu, Eu fiz-lhe a morte providenciada,
numa atroz ansiedade, sim, eu sei...
uma purga falhada entre os doutores,
de querer ser maior dentro da cama grande dos senhores
tão grandes,
dos enormes e excelsos,
dos mais perfeitos, os mais belos e queridos
Escritores
(que nunca, jamais serei.)




Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…