Avançar para o conteúdo principal

Só.


Para quê existir além da presença?
Nunca seremos capazes de estar em lado algum. Como se pudéssemos nós ser árvores perenes, carregadinhos de folhas caducas. Mas, tentámos na mesma. Tentámos?
É extraordinário ser humano fora de toda a humanidade. Já tentaram? - Parece que se ganha uma braçada de novos sentidos físicos em acréscimo àqueles que já nos consistem; Visão, tacto, audição etc... razões sobejas de existências banais! Sensibilizar o sentido da solidão, por exemplo, é uma experiência quase de catarse, um pulo de bravura insensata que apraz. Potenciar a modorra numa espiral, mais e mais, até se alcançar o topo da monotonia e descobrir novidades desconhecidas.
É preciso determinação contudo. A mortalidade absoluta deste objectivo ocorre no instante da tentação normal dos dias. O corte radical das relações mais íntimas é imprescindível. O boicote, a pura dedicação ao acérrimo desgosto de tudo e por todos, condição inequívoca.
Para quê existir e depois voltar atrás no pior momento?
Nunca seremos capazes de estar com ninguém. Somos "macacos" filósofos que não encontram outra razão para o sexo que não seja absolutamente essa.
Como se pudéssemos excluir o prazer de nós mesmos sem hipocrisias ou racionalizações descabidas. Dizer: "Amor" em vez de "Sodomia experimental" ou "Zoofilia", ou seja o que for mais interessante no momento do interesse em questão.
Quero mais, e tenho trabalhado arduamente para tal. A minha auto-exclusão vem sendo bem sucedida. Não se trata de culpabilizar ninguém que racionalmente já me excluiu. Trata-se sim, de excluir todos e nem sentir culpa no processo. Libertação absoluta, quer do que já se tornou absurdo nas ridículas relações sociais de agora, como também, das próprias associações "antigas", do tempo em que a amizade, - salvo seja - ainda parecia igual ao seu próprio real sentido. Corte! - Atingi já parte da objectivação da minha existência. A doce nulidade ante-venho-a num próximo horizonte, como uma costa brilhante, de exuberante prateado, onde acabarei perfeito, ou só.

Ah!

Para quê tentar o impossível da tentativa, quando todas as probabilidades jogam fora da nossa existência? - Ao sermos criaturas humanas, somos por regra múltiplos, o que significa que a solidão exceptua-nos. Mas, não quero mais isso. Não quero ser mais um jogador. Quero perder! E perco, e perdi tantas vezes, que perder se tornou o meu mantra. Onde tantos intentam o jogo mais obsceno da vitória, eu venço na demanda das minhas mais belas derrotas. Excedi-me, agora sorrio mais vezes. Perder é um Sol tão quente quando o calor é só nosso. - Não conheço mais ninguém que se esforce tanto para acabar derrotado. E isto, é o melhor que consigo fazer sozinho, sem a ajuda de ninguém.
De outro modo, o esforço haveria de ser desmesurado.

Ah!

É que ninguém existe melhor neste mundo sem o auxílio de outrem. Juntos, somos tantos e tão sozinhos. Solitários somos únicos.


Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…