Avançar para o conteúdo principal

Um tiro no escuro


Comecei a pensar na incerteza desta relação desfeita, inclusive nos motivos percursores da sua destruição pré-concebida, pré-pensada. - Fosse essa os filhos ou a falta do pinar constante. (O Homem precisa de foder vez por outra, para se sentir afim com a sua natureza impressa pela vontade da hereditariedade.) - Algum destes pilares nunca o foram, só fiz crença que existiam.
E se existir coisa mais danada para a carne mental que a relação que nem é, digam-me, peço-vos!
De facto, alguns até me disseram, e sempre me explicaram desde que me deitei a pensar nestas merdas de complicar o que é simples; o orgulho e o ego atirados à mistura, como uma pasta que me quer saltar das mãos (sim, das mãos. Ah!) e que endurece com o passar do tempo, enrijece como pedra-pomes a filha-da-puta, e deplora-se, deteriora-se a filha-da-puta... até ficar feita num pó irritante e insustentável, que qualquer vento carrega facilmente.
Nenhum vento assim tão simples, haveria de deitar abaixo nenhum amor. Nenhum vento haveria de ter poder algum sobre as acções e as intenções dos homens. Nenhum vento deveria demover-nos de nada tão sobejamente humano.
Os ventos servem para o que servem. Como o ego e o orgulho também. Toda a criação semântica serve algum propósito. Só o Amor é que foi criado para não servir nada nem ninguém. Qualquer homem poderia ficar pior se perdesse os braços. Pior se perdesse as pernas. Pior, se perdesse a pila, e a vontade de a usar para o fim melhor do seu uso. Qualquer homem ficaria pior numa auto-ilha de más intenções humanas, de irrelevâncias, de propriedades imaginadas.
Foda-se! - Qualquer homem é um tolo se pensa que a bebida lhe liberta a alma para escrever melhor sobre a desolação que ele próprio criou.
Se calhar, esta ilha interior já está cheia de gente, e mais ninguém aqui cabe. Ou se calhar sou eu, que não percebo que aquilo que se encontra na rua, se destina a ser entregue à polícia. - Velejo para o destino da foda. - Não me importo mesmo nada de aí trabalhar, nesse destino genético de querer estar sempre em riste. A apatia da carne parece fazer seguir em diante a destruição, o absoluto declínio. E pressinto não ter nascido para o apocalipse.
Tantas decisões erradas já postas em verdadeiras desgraças e eu sem saber, ao certo, quantas dessas foram da minha quota. De modo que ando para aqui aos trambolhões. Poderia beber menos e escrever pior, ou então poderia firmar um canal contínuo de desalento e acabar nesse grotesco esgoto de betão que me desarma.
A grande desilusão é sempre esta; cada vez escrevo melhor, e por cada nova linha de escrita melhorada, fodo menos. Estou em rota de colisão com a minha luxúria intrínseca. Adiciono-a ao mesmo ego e orgulho que me arrasam o relacionamento mais primordial da minha vida, para o seu fim.
Chego a fazer paralelismos entre o descontrole da bebida extrema, a vontade primária de escrever e a hecatombe dos dias que passo em agressão constante. Até a mulher mais permissiva e amável não está livre de limites. Tomara que pudesse ser algum ser maior, envolto num amor inexcedível. Um amor alheio aos fracassos, às frustrações. - Será um condicionante do outro ou seu próprio precursor? - Amo-te tanto. Só não compreendo inteiramente porque és assim, tão recíproca.
Talvez tenha de beber mais ainda, para te atingir. Para entrar na perfeição da nossa aliança. Se um dia vier a compreender-te, morrerei aí mesmo. Só porque pressinto a imensa falha da minha estranha humanidade de querer ser diferente.
Faz-me igual. Peço-te! - Quero tanto foder-te como um Homem, em vez de te amar como um escritor.





Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…