Avançar para o conteúdo principal

Um tiro no escuro


Comecei a pensar na incerteza desta relação desfeita, inclusive nos motivos percursores da sua destruição pré-concebida, pré-pensada. - Fosse essa os filhos ou a falta do pinar constante. (O Homem precisa de foder vez por outra, para se sentir afim com a sua natureza impressa pela vontade da hereditariedade.) - Algum destes pilares nunca o foram, só fiz crença que existiam.
E se existir coisa mais danada para a carne mental que a relação que nem é, digam-me, peço-vos!
De facto, alguns até me disseram, e sempre me explicaram desde que me deitei a pensar nestas merdas de complicar o que é simples; o orgulho e o ego atirados à mistura, como uma pasta que me quer saltar das mãos (sim, das mãos. Ah!) e que endurece com o passar do tempo, enrijece como pedra-pomes a filha-da-puta, e deplora-se, deteriora-se a filha-da-puta... até ficar feita num pó irritante e insustentável, que qualquer vento carrega facilmente.
Nenhum vento assim tão simples, haveria de deitar abaixo nenhum amor. Nenhum vento haveria de ter poder algum sobre as acções e as intenções dos homens. Nenhum vento deveria demover-nos de nada tão sobejamente humano.
Os ventos servem para o que servem. Como o ego e o orgulho também. Toda a criação semântica serve algum propósito. Só o Amor é que foi criado para não servir nada nem ninguém. Qualquer homem poderia ficar pior se perdesse os braços. Pior se perdesse as pernas. Pior, se perdesse a pila, e a vontade de a usar para o fim melhor do seu uso. Qualquer homem ficaria pior numa auto-ilha de más intenções humanas, de irrelevâncias, de propriedades imaginadas.
Foda-se! - Qualquer homem é um tolo se pensa que a bebida lhe liberta a alma para escrever melhor sobre a desolação que ele próprio criou.
Se calhar, esta ilha interior já está cheia de gente, e mais ninguém aqui cabe. Ou se calhar sou eu, que não percebo que aquilo que se encontra na rua, se destina a ser entregue à polícia. - Velejo para o destino da foda. - Não me importo mesmo nada de aí trabalhar, nesse destino genético de querer estar sempre em riste. A apatia da carne parece fazer seguir em diante a destruição, o absoluto declínio. E pressinto não ter nascido para o apocalipse.
Tantas decisões erradas já postas em verdadeiras desgraças e eu sem saber, ao certo, quantas dessas foram da minha quota. De modo que ando para aqui aos trambolhões. Poderia beber menos e escrever pior, ou então poderia firmar um canal contínuo de desalento e acabar nesse grotesco esgoto de betão que me desarma.
A grande desilusão é sempre esta; cada vez escrevo melhor, e por cada nova linha de escrita melhorada, fodo menos. Estou em rota de colisão com a minha luxúria intrínseca. Adiciono-a ao mesmo ego e orgulho que me arrasam o relacionamento mais primordial da minha vida, para o seu fim.
Chego a fazer paralelismos entre o descontrole da bebida extrema, a vontade primária de escrever e a hecatombe dos dias que passo em agressão constante. Até a mulher mais permissiva e amável não está livre de limites. Tomara que pudesse ser algum ser maior, envolto num amor inexcedível. Um amor alheio aos fracassos, às frustrações. - Será um condicionante do outro ou seu próprio precursor? - Amo-te tanto. Só não compreendo inteiramente porque és assim, tão recíproca.
Talvez tenha de beber mais ainda, para te atingir. Para entrar na perfeição da nossa aliança. Se um dia vier a compreender-te, morrerei aí mesmo. Só porque pressinto a imensa falha da minha estranha humanidade de querer ser diferente.
Faz-me igual. Peço-te! - Quero tanto foder-te como um Homem, em vez de te amar como um escritor.





Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…