Avançar para o conteúdo principal

David Duarte poderia ser um mito.


Vou sempre escutando, devagarinho, (e é sem pressas que a insídia se instala)
o mesmo ruído de morte que nos rói e nos persiste,
como um coração que foi tragado pelo nevoeiro.
A porta imponente da Igreja matriz, seus santos solitários, em seus nichos mal cuidados. 
As ruas, luminosas e sonoras, repletas de lajes soerguidas pelos esforços inglórios,
contra tão grande força. Tanto esforço derradeiro.
Morre-se por tudo e por nada neste país inteiro.
Os muros. Os muros invisíveis de castelos derrocados, postos no presente.
Caminhos que nada edificam. Paredes que a nada conduzem.
Morre-se por tudo e por nada neste país onde sempre nos desiludem.
Tudo isto sobre um tom uniforme e denegrido pelas sombras do costume. 
A gente tornou-se humidade, entranhamo-nos na má consolação das festas
e, pouca mossa fazemos à pedra eterna. Ao tempo que nem passou.
Não se lhes dá a ideia de morrerem,
contanto lhes prometam Verões de infinito; promessas e promessas de futuro.
E não será o futuro uma criança que já acabou?

Reflictam sobre a "coisa" do Natal e não sobre o Natal. 
O natal é criação, nunca o amasso embrulhado dos papeis. 
Mas Eis,
Eis que vos azedareis lentamente sobre essa mesma premissa,
como eu o fiz por exactidão da inveja, ou do medo, ou da preguiça, ou...
ou da frustração sempre presente.
É que se morre por tudo e por nada neste país demente.
Para muitos, a vida consiste em embeberem-se, encolhidos e transidos, no sonho. 
Meses inteiros sem palavras até Dezembro, quando tudo parece uma aberta.
Ou um abraço morto que nunca ninguém partilhou.
Cada vez vejo tudo mais turvo. Cada vez tenho mais medo.
Ninguém me lê. Ninguém sabe ler nada que não seja incutido por outra multidão diferente do medo, diferente do medo que "eu" sinto.
Ah! O Natal, assim lido.
E ainda assim se morre, por tudo e por nada, neste país merecido.
Mexeis as asas e pulais para cima e para baixo do pulmão de aço dos vossos receios mais profundos. O espírito - ao contrário do que vos dizem - o espírito é exterior.
Jamais será tido. Jamais serei por vós envolvido.
Alberga e cobre o vil corpo, como se este nada fosse.
Assim como se nós fossemos estrelas de anunciação,
e as estrelas que nos anunciam, fossem um mistério divino qualquer.
Morre-se por tudo e por nada neste país de mal-me-quer.

Saibam também sobre a morte das estrelas distantes,
e sobre o perdão final aos mais entrincheirados.
Assim como se nós fossemos vagas de maus agoiros,
e mitos de varões jovens e infecundos.
Capazes de amortecer a dor.
Nesse ridículo hábito de jogar aos dias futuros como se fossem ópio.
Morre-se por tudo e por nada neste país tão impróprio,
para se viver.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…