Avançar para o conteúdo principal

David Duarte poderia ser um mito.


Vou sempre escutando, devagarinho, (e é sem pressas que a insídia se instala)
o mesmo ruído de morte que nos rói e nos persiste,
como um coração que foi tragado pelo nevoeiro.
A porta imponente da Igreja matriz, seus santos solitários, em seus nichos mal cuidados. 
As ruas, luminosas e sonoras, repletas de lajes soerguidas pelos esforços inglórios,
contra tão grande força. Tanto esforço derradeiro.
Morre-se por tudo e por nada neste país inteiro.
Os muros. Os muros invisíveis de castelos derrocados, postos no presente.
Caminhos que nada edificam. Paredes que a nada conduzem.
Morre-se por tudo e por nada neste país onde sempre nos desiludem.
Tudo isto sobre um tom uniforme e denegrido pelas sombras do costume. 
A gente tornou-se humidade, entranhamo-nos na má consolação das festas
e, pouca mossa fazemos à pedra eterna. Ao tempo que nem passou.
Não se lhes dá a ideia de morrerem,
contanto lhes prometam Verões de infinito; promessas e promessas de futuro.
E não será o futuro uma criança que já acabou?

Reflictam sobre a "coisa" do Natal e não sobre o Natal. 
O natal é criação, nunca o amasso embrulhado dos papeis. 
Mas Eis,
Eis que vos azedareis lentamente sobre essa mesma premissa,
como eu o fiz por exactidão da inveja, ou do medo, ou da preguiça, ou...
ou da frustração sempre presente.
É que se morre por tudo e por nada neste país demente.
Para muitos, a vida consiste em embeberem-se, encolhidos e transidos, no sonho. 
Meses inteiros sem palavras até Dezembro, quando tudo parece uma aberta.
Ou um abraço morto que nunca ninguém partilhou.
Cada vez vejo tudo mais turvo. Cada vez tenho mais medo.
Ninguém me lê. Ninguém sabe ler nada que não seja incutido por outra multidão diferente do medo, diferente do medo que "eu" sinto.
Ah! O Natal, assim lido.
E ainda assim se morre, por tudo e por nada, neste país merecido.
Mexeis as asas e pulais para cima e para baixo do pulmão de aço dos vossos receios mais profundos. O espírito - ao contrário do que vos dizem - o espírito é exterior.
Jamais será tido. Jamais serei por vós envolvido.
Alberga e cobre o vil corpo, como se este nada fosse.
Assim como se nós fossemos estrelas de anunciação,
e as estrelas que nos anunciam, fossem um mistério divino qualquer.
Morre-se por tudo e por nada neste país de mal-me-quer.

Saibam também sobre a morte das estrelas distantes,
e sobre o perdão final aos mais entrincheirados.
Assim como se nós fossemos vagas de maus agoiros,
e mitos de varões jovens e infecundos.
Capazes de amortecer a dor.
Nesse ridículo hábito de jogar aos dias futuros como se fossem ópio.
Morre-se por tudo e por nada neste país tão impróprio,
para se viver.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…