Avançar para o conteúdo principal

Cat attack


1.

Trazer para dentro de casa pequenos animais mortos, e depois prostrá-los cerimoniosamente defronte de si, não é dádiva alguma mas sim um aviso.

2.

Esgravatar com acessos de fúria excessiva o contentor de areia / receptáculo de dejectos. Depois de satisfeitas as devidas necessidades fisiológicas, o seu gato, num aparentemente inexplicável frenesi, escamoteia, muitas vezes com as patas traseiras, e em casos mais extremos de ira com todas as 4 patas, a areia do digno W.C. que lhe fornecemos, acabando por espalhá-la para fora do dito recipiente e em seu redor. Isto é comportamento textual de quem se treina para enterrar corpos.

3.

Demonstrações absurdas de carência. Isto poderá confundi-lo, parecendo-lhe serem claros sinais de afecto, quando na realidade se trata de uma avaliação minuciosa que o seu gato lhe vai fazendo à óbvia fraqueza dos seus orgãos internos. O seu descanso, com a evidência de um gato sobre o seu peito ou barriga estará continuamente equiparado àquele que obteria durante a emergência de um apocalipse Zombie, e ele está seguro disso.

4.

Ocultar-se em locais recônditos e obscuros sem nunca desviar a atenção de si. É muito comum o seu gato comportar-se deste modo, com efeito, a sua real intenção é a de o observar, exaustivamente, analisando o seu comportamento natural. Quando começar a fazer sons ridículos e a proferir as vulgares onomatopeias de embevecimento, o bichano aperceber-se-á logo que a sua hora final está próxima.

5.

Aquela espécie de "concurso do jogo do sério" que muitas vezes ele parece fazer consigo, não é motivo de riso fácil nem contêm nada de fofo e querido. Quando enredado neste dilema de vista fixa com o seu gato, nunca, por nada deste mundo tente desviar o olhar. Ao fazê-lo, vai imediatamente despoletar uma conclusão de fraqueza da sua parte perante o felino, e um ataque iminente poderá seguir-se.

6.

Acenda a sua atenção mais extrema quando o seu gato irrompe pela divisão da casa onde se encontra, a uma velocidade que lhe pareça próxima da da luz. 9 em cada 10 casos, trata-se de alguma emboscada falhada do seu animal de estimação e não um potencial "post" de sucesso no Facebook.

7.

Tocar-lhe no rosto com as patas enquanto você dorme. Ao contrário dos seus parentes mais volumosos e agressivos, como sejam: Leões, Tigres, Leopardos, Pumas... os gatos domésticos não aparecem em programas do National Geographic, do género "A Semana do Tigre" ou "Quando os leões enlouquecem e perdem a compostura da Juba", mas nada os impede de o tentarem. Tente dormir com um olho sempre aberto.

8.

Erradamente se fazem julgamentos sobre a opção dos gatos dormirem em cima dos nossos equipamentos electrónicos, vulgo; teclados de portáteis, caixas da TV Cabo ou mesmo tablets e smartphones recentemente utilizados, como se este comportamento estivesse associado ao calor residual que estes equipamentos emitem. Nada poderá estar mais longe da verdade. Tudo isto refere-se à sua acção concertada de interromper deliberadamente as suas comunicações com o mundo exterior. Os gatos não querem ser interrompidos quando estiverem prestes a acabar consigo.


AGORA, DEPOIS DESTAS DICAS, ACAUTELEM-SE, POIS ESTA CRIATURA DE APARÊNCIA INOCENTE, FOI A MAIS PERFEITA ARMA QUE A NATUREZA DECIDIU CRIAR PARA A NOSSA EXTINÇÃO DEFINITIVA.

GATO BELCHIOR, PRESTES A ATACAR-ME FATALMENTE.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…