Avançar para o conteúdo principal

Para que serve ser Escritor?



Advirto-vos já, antes de o começarem a ler, que este é um texto cheio de raiva e rancor.


Certas pessoas dizem que alguns escritores não sabem escrever uma linha que valha a pena ser lida, nem na areia da praia, ou sentados no trono da cagadeira, nem deveriam ser assim chamados sequer. Não passam de fancaria sem carisma literário, deslizando incólumes pela baliza da crítica, e avolumando-se gigantes, junto do público mais néscio, entenda-se que é aquele que compra, e não aquele que lê.
Não digo nomes de ambos os lados, porque é feio apontar seja para que lado for.
Ainda que a inveja esteja omnipresente por todos, por mim inclusive, há um claro nepotismo no negócio da literatura, como existe também no cinema, nas artes plásticas, no teatro, até mesmo, meu deus, nas novelas televisivas.
A furiosa velocidade destes dias, pouco admite sobre a emergência dos ansiosos. A galopante necessidade das vendas é tudo quanto obriga às classificações das tabelas e aos pontos falhados dos críticos na imprensa.

 
Tomemos a questão dos festivais literários; nunca tantos se viram emergir em tão curto espaço de tempo. Não servem tanto para se promover livros, ou a literatura em geral, mais se empregam na elevação de certos autores, que necessitam de ser democratizados pelas suas casas editoras, garantindo o sucesso futuro dos mesmos, e das suas vendas, pois claro.
Há excepções, sim. Como as há em quase tudo. Nenhuma regra estaria completa sem as haver. Mas, quem convida os escritores a estes certames? Quem os coloca no sítio certo na altura certa, independentemente da qualidade do seu trabalho?
Vou dizer um nome, arrisco-me, mas pouco me importa, depois de tudo o que já disse em cima não me esperam dias de boas perspectivas no “establishment”: Vi e ouvi uma vez o Júlio Magalhães, numa mesa das Correntes D’Escritas e pensei cá comigo: “Ao que isto chegou!” – Todavia, após ouvi-lo falar notei o seu desconforto face ao resto do painel daquela mesa, e senti quase pena daquele homem, que se defendia o melhor que podia dos olhos trocistas dos “verdadeiros” escritores ali presentes.
Mais questões me surgiam à flor da pele. Por exemplo, a mais óbvia de todas: Porque estaria ali o Júlio Magalhães? – Tinha um livro nas bancas a vender imenso, e também era Ex-director de informação da TVI, e editor e pivot dos telejornais da estação ao fim-de-semana, sendo naquela altura Director-Geral do Porto Canal.
Seria este um daqueles ostracizados pelos “esclarecidos”, dogmáticos do poder literário? Um farsante a fazer-se passar por escritor numa excelsa mesa do maior certame literário da Península Ibérica?
Os outros, túrgidos pela admoestação habitual do marketing, alguns deles de grande craveira e melhor até, de grande talento, não ousariam soltar nenhum gás venenoso na sua direcção ali em público, mas eram as expressões que os traíam. Quem já soube alguma vez reconhecer um olhar pernicioso de desdém no rosto de outrem, saberia ver o que ali se passava; O Júlio era  o “duque” de um naipe de “ases”, e até dizem ser muito boa pessoa, não queiram lá ver.
Depois disto dito, continuo a querer ser escritor, e a querer vender-me ao sistema estabelecido, sim. A sobrevivência assim o exige, na instância onde a expressão: “se não os podes vencer, une-te a eles.” Impera. – A verdade é que poderia muito bem ser escritor apesar disto. Não preciso dos sábios ou dos críticos, ou dos outros escritores para poder ser um, só preciso de escrever e escrever e escrever.
Contudo, existe algo de que preciso para me sentir realizado como escritor, o que difere imenso de ser apenas escritor; os leitores.
Convenhamos, a grande maioria nem procura, espera que lhes ensinem a ler “as pessoas certas”, os “bons escritores”, e tudo deriva da monstruosa máquina de marketing explicada atrás.
O meu último livro “Corre!”, não vendeu um único exemplar desde a última vez que o apresentei em público. – Inveja, dir-me-ão? Raiva? Ódio? Talvez! A explicação deve-se ao facto de ter um bom editor, de uma editora unipessoal que não dispõe de possibilidades para se debruçar na sobre-exposição de um livro em particular, dentre as centenas que publica, porque precisa de publicar para sobreviver, e por muito que acredite em determinado autor, desde que nenhum fenómeno social o sobre-exponha ao grande público além das suas próprias possibilidades, nada mais pode concretizar.
Inclusive, vou mais além na defesa do meu editor, para que não o coloquem no mesmo saco dos arrivistas de nichos ultramodernos, daqueles mesmos ignóbeis editores que exigem dinheiro aos “ansiosos” e param na estação do prelo. Não.
É esta a grande tragédia dos “ansiosos”. A minha, vá! – Os “sábios” irão proferir de boca cheia: “Se não estás onde queres, é porque não tens o que é preciso para lá estares.” – Os “sábios” sabem, e dizem-no amiúde, a quem consideram digno de receber duas ou três palavras da sua sabedoria. – Eu nunca as ouvi. Estou tão por baixo nesta hierarquia nepotista que nem sou considerado para análise.
Mas enfim, avisei-vos no início deste texto, que haveria destilação de raiva e rancor, se o leram até aqui, talvez também tenham algum “ansiedade” própria a correr-vos nas veias, e se sintam afim com tudo o que aqui disse. Se assim for, comentem, vá. Vamo-nos conhecer, que sozinhos somos ainda menos que o nada que nos querem fazer ser.



Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…