Avançar para o conteúdo principal

Às Coisas Vividas...


...por Helder Sanhudo!
De ontem até 25 de Outubro, Casa das Artes, no Porto.
Não deixem de passar por lá.


Às Coisas Vividas” é mais que uma retrospectiva do trabalho artístico mais recente de Helder Sanhudo, é uma mostra emotiva de revisitação, uma aventura para não deixar esquecido o constante desafio da tela em branco. Vincar, solta e viva a sua presença como elemento criativo de recordações pictóricas que permanecem, alavancando a criação de futuras memórias.
Todas as saudades de um tempo em que viveu outras vidas, conheceu novas histórias e mundos, e as definiu debutantes, no seu trabalho.
Há um caminho possível para introduzir o nosso olhar nesta mostra. Penso em álbuns de recortes, em diários, acumulações de fragmentos ou objetos nostálgicos; uma ideia de melancolia que percorre a selecção aqui exposta, como se coleccionassemos compulsivamente com os olhos, as linhas condutoras que se atravessam de um quadro para o outro, imaginando com a nossa intuição as relações entre todos.
Até que, progressivamente, nos vamos tomando conta, compondo essa caligrafia intimista do Helder, um mosaico feito de lembranças delicadas das suas coisas passadas.
Do desenho mais simplista às impressões que nascem de um tratamento intenso da cor e da forma, processo que o artista vem gradativamente depurando, até aos seus últimos retratos, figuras mascaradas que se tornam vultos, sombras coloridas e silenciosas, solenes todavia, devolvendo a sensibilidade ao traço, ilustrando assim, significativamente, o nome da exposição: “Às Coisas Vividas” pede-se tranquilidade, para se absorver em silêncio o que ficou para trás, mas pede-se sobretudo mais, vontade de vir a descobrir o que a vida futura do Helder nos reservará.

in Folha de sala da exposição de Helder Sanhudo "Às Coisas Vividas"
Miro Teixeira
Setembro de 2015

 

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…