Avançar para o conteúdo principal

À mulher a quem conto histórias como quem reza.


A minha vida nada formigava em roda-vivente corria o ano de 1990. Era de uma tal timidez nesses idos anos que nem me atrevia a ver o filme "Verdes Anos", com a devida atenção, com receio de ganhar musgo nas articulações da alma.
Trazia paixões medianas encaixadas em todos os lados, a ver se um dia acertava naquela que me arrepiasse de cor a pele branca e macilenta. Todavia, como em quase tudo nos anos 90, sobretudo em homens ainda mal formados, de gerais patentes, mas escassos de experiência, não passava de um resto da exuberante década anterior. Logo eu, que nunca fui de modas! - Ainda uso roupas e calçado que guardei desses anos, mediante as flutuações permissíveis do peso atómico da carne. - Vinte e cinco anos depois, a moda acabou por me apanhar numa esquina vintage, e continuo tão azeiteiro como nessa altura.
Aquele tempo todo foi engolido pelo mato selvagem, excepto um pedacinho. Uma porção quase insignificante de tempo, que, de todos os modos, poderia igualmente passar despercebida, não fosse o caso de ter sido aí que o resto da minha vida viria a fazer sentido.
O dia era o 4º, do terceiro mês desse ano. e eu, por ser o segundo mais velho de um grupo unido de 4 amigos, já levava um mês de avanço na maioridade. Nesse dia celebrava-se o 18º aniversário do terceiro da lista, e foi então que a minha vida inteira mudou.
Ninguém nunca aguarda por nada, especialmente agora que a velocidade de tudo acelerou de tal forma, que mal se sabe ao que nos agarrarmos com vivacidade. Isso são outras questões, muito mais modernas. Naquele dia não faria qualquer crença no futuro, mesmo que possuísse uma bola mágica de cristal que mo mostrasse.
Não passava de um picuinhas mal refeito dos dezoito anos de formação óssea, vestido como um agente funerário em risco de falência, e com a mesma disposição formal de trato. Antecipando no rosto a moda visceral dos vampiros, e mal conseguindo disfarçar orgasmos ténues enquanto ouvia The Cure.
Se alguém me dissesse: "Hoje vais encontrar o amor verdadeiro!"  - Provavelmente ter-me-ía atirado à primeira sanita disponível e vomitado com todo o vigor de que ainda dispunha. Mas não, lá voltei ao palco assustador da festa.
Saber pisar aquele chão foi assunto de vida ou de morte para mim. Agora, com raízes que preenchem todas as paredes que me cercam, entendo que a melhor decisão que tomei, sempre, foi essa. Estar ali, e conhecê-la. Estar ali, e começar a viver, com ela, criou uma pessoa melhor do que aquela que alguma vez poderia almejar vir a ser.
Cinco anos depois casamos. 1995. Aproximámo-nos, sustivemos as mãos nas mãos, dançamos, aliviando os pés à medida que estes se íam afeiçoando ao chão que pisávamos. O tempo encorajava-nos: "Pisem-no como quem ama.", e sem darmos conta, passaram-se vinte anos.
Hoje.
Sorrio, como quem já não carece mais de tradução de quem sou. Nunca escutei outra história menos carecida de beleza como esta. Ainda que tenha lido e visto inúmeras. Se se constituíem como amor a parceria, a entrega indivissível ou os nomes de uma casa bem edificada, não sei. Entendo que há uma brecha no espaço quando nos separamos, que de súbito, ainda vejo luz no rosto dela quando me observa despreparada, e se tivesse sempre um espelho à mão, provavelmente veria o mesmo.
Ela ainda ri, acreditando ser brincadeira. Porém, nunca recuo os meus os olhos ou o meu enleio, como naqueles tempos passados. Para mim, toda ela é sem ruga, sem cicatriz de tempo; um flagrante de amor, em cada novo dia, e neste dia dos meus vinte anos de casado, sei o que é dar valor à permanência do tempo, consistindo-nos juntos, o máximo possível.
O amor não é uma crença tola, é um desafio diário. Acreditá-lo duradouro, não é função de nenhum sonhador, é meramente uma fortuna rara.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…