Avançar para o conteúdo principal

A Greve dos Taxistas



Coisa estranha ouvir isto no meio da rua, nada daqueles afastamentos convenientes dos loucos ocasionais, que falam por tudo e por nada enquanto caminham: "Choraminguices não enchem chouriços, e são os chouriços que se comem, não as lágrimas de crocodilo." - Mais estranho ainda foi ter a clara percepção de que a velha se dirigia a mim, pessoalmente, como se me conhecesse faz tempo, e soubesse toda a minha história parva de desperdício.





Aproximou-se de mim com a boca carregada destas verdades misteriosas, cada dente uma munição de certeiro ciclo inflexível, e por cada dois passos covardes que eu desse para trás, ela cuspia esta ladainha em projéctil crescente, mais e mais ameaçador na linha da minha direcção abafada de reacção.
Foi só quando me insultou a sério que descansei. Lá deve se ter cansado de dizer verdades e voltou à incúria da sua ladainha de marinheiro. Ao tempo do primeiro "cabrão" suspirei de alívio, quando se pôs a esbracejar epiléptica chegando-me a merda ao juízo, mesmo assim fiz por me manter tranquilo e contido. - O que podia aquela velha saber sobre mim afinal? - Todavia, aquela boca demente, não tinha remédio à vista, e logo que me arremessou o primeiro "filho-da-puta" à queima-roupa, quis escapar lesto daquele suicídio social em praça pública. - "Filhos-da-Puta desistem sem pensarem nos outros. Filhos-da-Puta desistem sem conseguirem comer uma fava sequer."
Procurei com os olhos uma escapatória. Perto da estação do Metro, havia marcas nos paralelos que diziam "Táxis" em gordas letras. Corri para aí com os dentes falsos a doerem-me menos que a alma injuriada. Tudo inútil. Jamais algum táxi fez praça aqui.
Puta da Velha, apanhou-me a jeito! Até os Táxis conseguiu evaporar do meu alcance, como se estes tivessem direito à greve, os badalhocos.
Lá tive de retirar, humilhado, justo até ao café e ouvi-la pela vitrina em voz de megafone: "Vai para casa escrever seu Crica de Merda, vai para casa e fica lá até seres alguém!"



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…