Avançar para o conteúdo principal

Um livro tão, mas tão pequenino, que nem peço que cresça, somente que nasça.


Excerto:

(...)
Encostava-se tanto e tanto e tanto que chegava a magoar-se nos ossos mais finos e a sentir-se desfalecida no baixio côncavo de carnes fúrias das ancas. Subiam-lhe náuseas pelo peito acima, saindo-lhe pela boca arcada num hálito azedo que formava palavras desconhecidas. Raiavam-se-lhe os olhos em capilares há muito adormecidos, empolando-os para fora como gordos berlindes apetecíveis. - Depois disto podemos comer um hamburguer com queijo e uma Coca-Cola? - Perguntou, apesar de cedo, mas com o Sol já forte. - Ainda me vais dizer que queres batatas-fritas também. Tamanho grande. - Eclodiu Mateus por baixo das mãos incautas. 
Não havia como que melhor a enganar: o instante mais carnívoro que carnal era uma realidade paralela a fingir que poderia ser uma realidade paralela deste lado do Universo, ligeiramente retorcida sim, mas perfeita imitação binária da vida real. Não queria tocar-lhes em mais lado nenhum que não fosse território exclusivo de Mateus, embora lhe apetecesse muito. - Que queres daqui? - Deves de estar a sonhar, algum pesadelo vá. – Agora, ele ali, e as vozes das crianças, lá em baixo na rua, alargando-se numa postura desordenada, cantando ladainhas monótonas tão familiares, levantando as mãos à altura da sua janela, e agitando os pequenos dedos infectados de lama, espetados na sua direcção. – A vida não me derrota, a vida não me derrota, nhé nhé nhé. – Cantavam. – Rais’ partam os putos! - Desviou os olhos e devolveu-lhe a atenção. Ainda agora mesmo lhe deveria ter dito assim: - Que queres? Deves de estar a sonhar, algum pesadelo vá. Entraste na casa errada sem dares fé. Eu não te sou nada, nunca fui. Sou-te um pesadelo, vá. – Mas não disse, não disse nada que se assemelhasse sequer. Lembrou-se dos olhos dele, os seus olhos de amora, que durante todos os momentos da carne com a carne se iluminavam de uma maneira peculiar, quase grata. Sentiu saudades dessa estranha luz. Procurou-a durante tanto tempo e em tantos lugares e homens diferentes, mas nunca a descobriu igual. Sentiu-lhes a respiração, a tesura das pernas, mas, nunca o olhar do Mateus. Ninguém nunca ficava de lado, assim, quase num perfil grego, a olhá-la com tanta dedicação, depois do sexo. Ninguém. 
Porém, lá no passado, cada vez mais inquietos, aqueles estranhos olhos, um dia deixariam de figurar no retrato a dois. E pronto, foi assim que tudo se acabou.
(...)

Miro Teixeira
2014

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…