Avançar para o conteúdo principal

Um livro tão, mas tão pequenino, que nem peço que cresça, somente que nasça.


Excerto:

(...)
Encostava-se tanto e tanto e tanto que chegava a magoar-se nos ossos mais finos e a sentir-se desfalecida no baixio côncavo de carnes fúrias das ancas. Subiam-lhe náuseas pelo peito acima, saindo-lhe pela boca arcada num hálito azedo que formava palavras desconhecidas. Raiavam-se-lhe os olhos em capilares há muito adormecidos, empolando-os para fora como gordos berlindes apetecíveis. - Depois disto podemos comer um hamburguer com queijo e uma Coca-Cola? - Perguntou, apesar de cedo, mas com o Sol já forte. - Ainda me vais dizer que queres batatas-fritas também. Tamanho grande. - Eclodiu Mateus por baixo das mãos incautas. 
Não havia como que melhor a enganar: o instante mais carnívoro que carnal era uma realidade paralela a fingir que poderia ser uma realidade paralela deste lado do Universo, ligeiramente retorcida sim, mas perfeita imitação binária da vida real. Não queria tocar-lhes em mais lado nenhum que não fosse território exclusivo de Mateus, embora lhe apetecesse muito. - Que queres daqui? - Deves de estar a sonhar, algum pesadelo vá. – Agora, ele ali, e as vozes das crianças, lá em baixo na rua, alargando-se numa postura desordenada, cantando ladainhas monótonas tão familiares, levantando as mãos à altura da sua janela, e agitando os pequenos dedos infectados de lama, espetados na sua direcção. – A vida não me derrota, a vida não me derrota, nhé nhé nhé. – Cantavam. – Rais’ partam os putos! - Desviou os olhos e devolveu-lhe a atenção. Ainda agora mesmo lhe deveria ter dito assim: - Que queres? Deves de estar a sonhar, algum pesadelo vá. Entraste na casa errada sem dares fé. Eu não te sou nada, nunca fui. Sou-te um pesadelo, vá. – Mas não disse, não disse nada que se assemelhasse sequer. Lembrou-se dos olhos dele, os seus olhos de amora, que durante todos os momentos da carne com a carne se iluminavam de uma maneira peculiar, quase grata. Sentiu saudades dessa estranha luz. Procurou-a durante tanto tempo e em tantos lugares e homens diferentes, mas nunca a descobriu igual. Sentiu-lhes a respiração, a tesura das pernas, mas, nunca o olhar do Mateus. Ninguém nunca ficava de lado, assim, quase num perfil grego, a olhá-la com tanta dedicação, depois do sexo. Ninguém. 
Porém, lá no passado, cada vez mais inquietos, aqueles estranhos olhos, um dia deixariam de figurar no retrato a dois. E pronto, foi assim que tudo se acabou.
(...)

Miro Teixeira
2014

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…