Avançar para o conteúdo principal

O sucesso explicado num diagrama de Venn só escrito.

 
Muito frequentemente, somos os nossos próprios detractores mais duros, ainda que por vezes isso acabe por nos resultar num grande atraso de vida. 
Se nos ocorresse questionar aqueles que melhor nos querem, sobre o nosso nível de "sucesso", enveredaríamos sem querer, numa espécie de experiência social que nos demonstraria, sem sombra de dúvida, que passaríamos mais vezes por ser bem-sucedidos para os outros do que para nós mesmos.
A única razão possível para considerarmos a execução prática deste exercício sociológico, deve de ser procurada no ramo matemático da estatística; ou seja, apoiando-nos nos cálculos estatísticos já efectuados por terceiros ( e tenho as minhas razões para admitir a sua existência, pois criam-se índices para coisas tão disparatadas, porque não para isto? ) e sobre estes, postulo que, uma grande maioria da população humana associa sucesso a felicidade, baseados na premissa de que, o simples facto da acumulação de riqueza, respeito e/ou fama, é, por si só, sinónimo de sucesso.  
Vulgo, sou rico, respeitado e conhecido, logo tenho de ser feliz!
É uma falácia por si só. 
Diz o saber popular que o dinheiro não traz felicidade, a fama dura o tempo exacto que nos for permitida, e o respeito, é uma daquelas coisas muito, mas muito difíceis de se conseguir.
Parece-me então um daqueles empreendimentos duros como o caraças, típicos de serem abandonados à dura partida. 
Mas, na verdade, acaba por não ser bem assim, e mais uma vez é a matemática que ocorre em nosso auxílio, explicando-nos a simples dinâmica da interacção sentimental, como se fossemos meras células seminais em busca de um propósito indómito.
O conjunto só se explica fechando a curva do axioma numa representação das relações emotivas combinadas. 
Simplificando; sozinhos nada nos parece bem claro, ao passo que permitindo livremente a inclusão de outras pessoas, grupos ou espaços contingentes, acabamos melhor esclarecidos. (talvez tenha complicado ainda mais, não importa.) 
É um caso de amor, e estes casos nunca se explicam devidamente.
Perante tudo isto concluo apenas uma coisa fundamental: se acaso acabar um dia surpreendido pela descoberta de como aqueles que me amam me classificam, devo-me recordar de lhes lembrar também, de tempos a tempos, do que eu próprio penso deles, para que todos, em certa medida, nos possamos sentir realizados mais vezes do que imaginaríamos. 
Deste modo, espaços internos comuns a dois ou mais conjuntos intersectam-se sempre, e é assim, e apenas assim que o "sucesso" nos fará algum sentido.




Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…