Avançar para o conteúdo principal

Uma tarde inútil em Abril


Em tardes tão pouco douradas, absolutas em desmaios vespertinos, nada me apetece de produtivo. Agacho-me à janela, dentro de uma concha de inutilidade, escondido da vista, para que ninguém lá fora possa reparar em tanto desperdício.
Tocam as músicas na mesma, mas baixinho como o mau cheiro dos pés dos anões, a Liz sussurra inconformada, o Robert desiste a meio da canção e sai de cena a retocar a maquilhagem. Mudo para bebop e animo um pouco-nada desta ronha entranhada. Bebo dois goles seguidos sem perder tempo a contar as porções. Que interessam as porções? As garrafas só choram quando lhes acaba o líquido. Tenho destes dias assim fodidos, tenho pois. Graças a Deus que os tenho. Se tivesse de ser normal todos os dias, enlouqueceria normalmente!
Lá fora, o mundo inteiro imobilizado na minha cabeça, enche-se de apelos luminosos, como a luz de um farol voltada ao mar de incerta tempestade. Rais' partam os donos dos cães que cagam tudo com os seus bichos mal ensinados. Malditos condutores que nada sabem sobre o respeito perene de uma praça modorrenta. - Olha, chegou agora mais um metro de gente!
Esperei pelo telefonema de um amigo que nem chegou. Toda esta espera tornou-se na melhor desculpa para ser inútil. Acabo sempre por detestar todas as ciências inventadas nestas tardes, resta-me o instinto, e o instinto diz-me para me esconder debaixo da secretária, não vá a senhora do rent-a-car aqui por baixo, desconfiar de alguma coisa imprópria.
Passaram mesmo agora quatro rapazes sem pressa, logo ali. Um deles subiu os braços a diminuir o balanço dos passos. Coitado! Sofreria tanto em busca de luz hoje, que teria de os esticar justo até às estrelas, e mesmo assim sentir-se-ia confuso com esse pobre clarão.
O grupo rodeia-o, num círculo a três, depois avançam pela praça, assim, em enxame barulhento. - Quem me dera ter tomates para abrir a janela e ouvi-los. - só lhes pressinto os sorrisos abafados de desprendimento. - Tivesse eu tomates e estaria lá fora, seria mais um a compor aquele círculo imperfeito. - Porque não? Só as imposições é que nos matam os mapas interiores. Se nos fingirmos de distraídos, podemos ter a idade que nos apetecer. Eu podia muito bem ser um rapaz novamente. Já nem precisaria de me esconder atrás desta janela. - Tivesse eu tomates e diria uma coisa ou outra a quem merece saber exactamente sobre a natureza humana, sobre a amizade. A cultura criou bandos de inúteis, como eu, que falam do alto de uma janela e depois escrevem preto-no-branco cheios de descaramento: "EU SOU CHARLIE ou KENYA ou a vagem insípida desta semana.
Nestas tardes pardacentas tudo diminui cá dentro, tudo! O combate incessante às más ideias constantes torna-se tão inútil como as tardes. Só me apetece disparar impropérios feitos petardos cirúrgicos, chorar invejas, gritar barbaridades aos passantes. É curioso saber que todos os dias, passa aqui uma senhora exactamente assim, que faz este caminho recto diário, zunindo palavrões de marinheiro aos incautos que se lhe atravessam à frente. Como lhe invejo a simplicidade. Dizer que ser louco é que é, e depois esconder o corpo e a cabeça no terror do que é socialmente impróprio, é coisa de meninos. De meninos que tocam em campainhas de estranhos e fogem a correr pelas ruas. - Tivesse eu tomates e seria um menino novamente, seria um quase-velho verdadeiramente louco por fim... Sou um Crica prostrado numa janela!
Mas, por razões que integram a estúpida intimidade intelectual da minha cabeça confusa, nada me parece de bom-tom. nada é tão acertado como me esconder da senhora do mini-mercado, que ainda há pouco me viu a passar com uma garrafa de uísque fresquinha, adquirida noutro lado qualquer. - Estás bonito rapaz? - Já sou parte desta janela, instalado a medo nesta sala que tresanda a fumo e a bebida. - Estou bonito estou... Fez cinco dias que saí de casa decidido a viver em pé e continuo aqui escondido, com olhos de vidro e alumínio anodizado. Parece-me definitiva a minha vontade de boicotar a acção energética da minha existência. Hoje é assim.
Amanhã lavo os vidros.

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…