Avançar para o conteúdo principal

Uma tarde inútil em Abril


Em tardes tão pouco douradas, absolutas em desmaios vespertinos, nada me apetece de produtivo. Agacho-me à janela, dentro de uma concha de inutilidade, escondido da vista, para que ninguém lá fora possa reparar em tanto desperdício.
Tocam as músicas na mesma, mas baixinho como o mau cheiro dos pés dos anões, a Liz sussurra inconformada, o Robert desiste a meio da canção e sai de cena a retocar a maquilhagem. Mudo para bebop e animo um pouco-nada desta ronha entranhada. Bebo dois goles seguidos sem perder tempo a contar as porções. Que interessam as porções? As garrafas só choram quando lhes acaba o líquido. Tenho destes dias assim fodidos, tenho pois. Graças a Deus que os tenho. Se tivesse de ser normal todos os dias, enlouqueceria normalmente!
Lá fora, o mundo inteiro imobilizado na minha cabeça, enche-se de apelos luminosos, como a luz de um farol voltada ao mar de incerta tempestade. Rais' partam os donos dos cães que cagam tudo com os seus bichos mal ensinados. Malditos condutores que nada sabem sobre o respeito perene de uma praça modorrenta. - Olha, chegou agora mais um metro de gente!
Esperei pelo telefonema de um amigo que nem chegou. Toda esta espera tornou-se na melhor desculpa para ser inútil. Acabo sempre por detestar todas as ciências inventadas nestas tardes, resta-me o instinto, e o instinto diz-me para me esconder debaixo da secretária, não vá a senhora do rent-a-car aqui por baixo, desconfiar de alguma coisa imprópria.
Passaram mesmo agora quatro rapazes sem pressa, logo ali. Um deles subiu os braços a diminuir o balanço dos passos. Coitado! Sofreria tanto em busca de luz hoje, que teria de os esticar justo até às estrelas, e mesmo assim sentir-se-ia confuso com esse pobre clarão.
O grupo rodeia-o, num círculo a três, depois avançam pela praça, assim, em enxame barulhento. - Quem me dera ter tomates para abrir a janela e ouvi-los. - só lhes pressinto os sorrisos abafados de desprendimento. - Tivesse eu tomates e estaria lá fora, seria mais um a compor aquele círculo imperfeito. - Porque não? Só as imposições é que nos matam os mapas interiores. Se nos fingirmos de distraídos, podemos ter a idade que nos apetecer. Eu podia muito bem ser um rapaz novamente. Já nem precisaria de me esconder atrás desta janela. - Tivesse eu tomates e diria uma coisa ou outra a quem merece saber exactamente sobre a natureza humana, sobre a amizade. A cultura criou bandos de inúteis, como eu, que falam do alto de uma janela e depois escrevem preto-no-branco cheios de descaramento: "EU SOU CHARLIE ou KENYA ou a vagem insípida desta semana.
Nestas tardes pardacentas tudo diminui cá dentro, tudo! O combate incessante às más ideias constantes torna-se tão inútil como as tardes. Só me apetece disparar impropérios feitos petardos cirúrgicos, chorar invejas, gritar barbaridades aos passantes. É curioso saber que todos os dias, passa aqui uma senhora exactamente assim, que faz este caminho recto diário, zunindo palavrões de marinheiro aos incautos que se lhe atravessam à frente. Como lhe invejo a simplicidade. Dizer que ser louco é que é, e depois esconder o corpo e a cabeça no terror do que é socialmente impróprio, é coisa de meninos. De meninos que tocam em campainhas de estranhos e fogem a correr pelas ruas. - Tivesse eu tomates e seria um menino novamente, seria um quase-velho verdadeiramente louco por fim... Sou um Crica prostrado numa janela!
Mas, por razões que integram a estúpida intimidade intelectual da minha cabeça confusa, nada me parece de bom-tom. nada é tão acertado como me esconder da senhora do mini-mercado, que ainda há pouco me viu a passar com uma garrafa de uísque fresquinha, adquirida noutro lado qualquer. - Estás bonito rapaz? - Já sou parte desta janela, instalado a medo nesta sala que tresanda a fumo e a bebida. - Estou bonito estou... Fez cinco dias que saí de casa decidido a viver em pé e continuo aqui escondido, com olhos de vidro e alumínio anodizado. Parece-me definitiva a minha vontade de boicotar a acção energética da minha existência. Hoje é assim.
Amanhã lavo os vidros.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…