Avançar para o conteúdo principal

Queima do Judas 2015


Por uma só noite fui poeta, e isso basta-me para uma vida.





Fotos: Sara Jaques
 - Poema na Tasca -

Sento-me ali todas as noites esperando pela maciez do passar do tempo.
Sinto que poderia escrever o tempo inteiro sobre os vossos passos,
olhar para trás e vê-los anavalhados num futuro líquido,
mas não posso.
Sinto perto a tempestade fatal que descreverá o poema do vosso fim.
Talvez o rio suba demasiado, e seja certeiro, na hora marcada
desse tempo que não espero ser feito de dias felizes.
Talvez..
Tantos lanhos vos contei por tantas mãos por tantos barcos por tantos copos, tantos risos, tantos gritos e canções, tantas discussões de mortos, por tantas e tantas noites, ali sentado ao vosso lado.
Que golpe tão infeliz fez o gume do progresso!
Ali fui narrador da vossa história inteira, mas agora, não sei de mais nada...
Dali assisti já ao vosso fim.
O novo mundo nem vos quer.
Sois sujos e barulhentos, pobres e inconsequentes.
Tendes filhos a mais, demasiada alegria, esperança enganada. 
Tendes vontade de viver.
Vós infelizes, que fostes gente perfeita por madrugadas infinitas de madeira fogo e aço.
Formidáveis vos vi, moldando barcos do nada, lançados para o nada, um a um...
E a história maldita, nem se lembrará de nenhum.
Sim, sentei-me ali todas as noites entre o oblívio do vinho e escrevi o futuro que nunca desistiu de vos querer matar, escrevi-o mesmo sem saber o que fazer do tempo escuro que viria.
Tão estranho e definitivo como uma máquina incessante que vos tirará as mãos do corpo.
E o corpo deste lugar,
e este lugar desta terra,
e esta terra do mapa.
Ficará somente o rio,
que nunca esperará por passageiros, na distância de outro destino.
Não mais assistirá às cores vivas da prata saltando viçosa por longos convés de pessoas graves.
Sim, jamais.
Não sabeis disso ainda? Não atentais, não escutais, não vedes?
Não sabeis sobre as aves e as pedras e as memórias que ficaram?
Não sabeis nada sobre o fim do mundo e sobre a existência de um chão de serrim que nem precisa de asas para desaparecer?
Pois não...
Pus dias em todos os olhos que com os meus se cruzaram neste mesmo lugar.
O tempo e o seu rasto encarregaram-se do resto.
E esse tempo emprestado ainda o senti como a resina
colando nos cantos, nas paredes, nos interstícios de cada novo mundo que esperava nalguma lonjura, os cabelos brancos dos homens que sois.
Lá fora no rio sereno pressinto a revolta. Apenas três ondas regressaram hoje do mar.
Acabam-se as noites de riso na tasca, calam-se as zaragatas, desligam-se as mãos devagar. Deixo que o tempo me cubra de vergonha, se misture com o meu corpo, me entre pela boca, pelos olhos e pelos dedos. Deixo-me matar convosco, mansamente, enquanto o vosso futuro se enche de mentiras e de longas esperas sem proveito.
Morri ali naquela mesa e depois da minha morte, quando alguém se lembrar do nome de algum barco será o vosso.
Mas já será tarde tudo isto.
Eu já não sei nada deste mundo moderno, continuo ali sentado todas as noites,
a escrever a história de homens-fantasma.
Chegou mesmo agora a esta margem,
nos primeiros cansaços sem remédio,
o último barulho de uma serra
Fincou-se o último barco moribundo naquelas pedras além,
fez-se de estorvo, e mesmo assim, chamaram-lhe Futuro.

Miro Teixeira
2015

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…