Avançar para o conteúdo principal

Que tal mordermos a bala?



Quando uma teoria se revela falsa, cai em desuso e já não interessa a ninguém, ganhamos uma compreensão e inteligência de nós próprios e dos outros através do conhecimento observado. A filosofia vigente e a salvação da mente humana, no convencimento geral de como pensamos, mantém-se em estado de problema convencido, mas não resolvido. Somos demasiado estúpidos para atingir uma compreensão inteira do "fim da nossa existência". Somos covardes, e nesse caso, lidar com este problema, parece-nos tão inútil, que reviramos os olhos, e ignorámo-lo.
Ora é precisamente isto que, a dado momento da nossa vida, nos atormenta tanto por nos considerarmos finitos, e termos tão presente aquela ideia da irreversibilidade da morte, que chega a ser a única consciência das nossas curtas vidas. Vivemos mal porque vivemos sabendo que um dia morreremos. O que nos parece irreparável não é nada inútil, de todo. Nenhum tempo está já todo contado, todo escrito. A ideia da irreversibilidade é quase tão caduca e dogmaticamente redutora, que nos induz quase forçosamente à devoção místico-religiosa. Como nos sentimos inúteis, de tão insignificantemente pequenos, reduzimo-nos à escravatura dogmática a um ser maior, que não nos satisfaz, mas resulta-nos em satisfação, face à ignorância que nos assola.
Com efeito, como operam as religiões face à ameaça suprema do nosso mais absoluto medo? A morte. - Assim mesmo. Em perpétuo controle das nossas vontades únicas, entregues de mão beijada ao escrutínio misterioso da nossa não-decisão. O nosso estoicismo vai tão longe ao ponto de procurarmos a salvação do nosso medo mais profundo, numa exacta emancipação nula do nosso pensamento mais racional.
Em derradeira análise, a nossa liberdade total, reside na forma muito diferente de abordar o desafio da própria salvação curta de existência neste plano. Responder à vontade primordial de vencer os medos provocados pela finitude, ignorar as panaceias de placebo da filosofia caduca, da intromissão religiosa transversal, e, ganhar o hábito das questões incómodas. Da verificação constante, e por nós próprios, daquilo que nos é dito e daquilo que nos faz ser englobado num todo irracional. A verdade final pressume que nenhum de nós é original, mas todos somos únicos.Todos.
Vamos ser diferentes de vez em quando, a ver onde chegaremos com isto. Que tal?

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…