Avançar para o conteúdo principal

Piquenas estórias de amore VI




Soube mesmo agora que se cometem crimes por amor mesmo aqui à minha porta. Percebi logo que aquilo era um paraíso em ruínas, quando soou a primeira derrocada, tomada de nervos ao telefone, e que por fazer tanto barulho me incluiu, sem querer.

A primeira fronteira violada foi a da pele. Imenso limite do corpo, que encerra e define o líquido todo que nos faz. Estava toda ali, em ebulição de gestos furiosos, fervorosos. Por sinal, alguém a agredia às bofetadas do outro lado da linha. Depois, ela, (sim, era uma rapariga. Brasileira, por sinal) juntou-lhe a língua inteira, demarcando-se do território dele, tão minimalista, que me pareceu partido, como um labirinto sem saída.
Nunca perceberei se algum Adão moderno se prontificaria para se agarrar tão intrinsecamente a uma qualquer Eva, mas neste mitico corpo que assisto, partiam-se algumas costelas do coração mesmo debaixo dos meus olhos.
Ignoro ser capaz de me colocar a jeito de saltar para a represália de alimárias primitivas, mas dava para entender que a outra voz era surda, e de puro banditismo, pois sempre que não a ouvia, ela mais gritava. Sem medo e à sorte do eco pela praça. 
Chega por fim um troar, que só me explica a canga normativa da relação: " és meu marido, não sou tua amante. és meu marido, meu marido, meu." - e aquilo se foi erigindo para definir um dentro, um fora e a membrana que aparentemente os unia. 
Haveria ali motivos para se falar de amor e de mortes em tribunal? Pois, não sei. A terceira infracção surgiu com o batimento dos seus pés assaltados, e com lágrimas, muitas, tantas lágrimas. Um combustível que vertia daquele temporal alheio.
Não consegui determinar a fuga daquele amor intempestivo. Ela rasgou-a debaixo dos meus olhos quando desligou o telemóvel. Reparei sim, e talvez esteja aqui a origem do crime, que tinha uma barriga cheia de gente, e os dedos em fisga a dispararem desilusão.


"Adam & Eve" - Esgar Acelerado

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…