Avançar para o conteúdo principal

Para o único Helder que nunca conheci.


Mergulhar em todas as bocas, que horror! Por vezes estão tão sujas que só me conspurcam de nulidade, é o fim, acreditem! É este o fim!
Estão mortos, todos. 
E ninguém salva nenhuma criança afogada da abertura fatal de nenhuma retrete.
Debaixo de alguma barba explodem eternidades que ninguém percebe por inteiro. Dois ou três fizeram um esforço, mas no derradeiro, no derradeiro momento desta existência, quem sabe ao certo o que nunca foi dito por palavras escritas?
Os bons vivos morrerão assim mesmo, vivos, à espera da morte que os tornará vivos, para sempre.
Rompendo todas as gargantas ignóbeis, que aguardam com os pulmões postos em punhos,

com os olhos postos em entrevistas invasoras, com os corações esfaqueados pelo agora, os corpos esfacelados pela imagem, as palavras vendidas num nada.
Resgatemos estes vivos dos cádaveres antecipados. Resgatemo-los do vírus da existência só terrena deste mundo moderno.
Sim, o resgate também é possível para os vivos, ainda que estes nem o queiram. Ainda que estes só vivam para existir no que fazem. Todas as palavras escritas têm um direito universal; alguém as escreveu por acaso ou não. Alguém fez por decidir que ali estaria o futuro daquilo que foi em todos a negação afirmativa de existir.

Mas, alguém ali existiu sim, para sempre.
Esses nem quererão estar vivos quando descobrirem a ponta afiada de medo da história real desta vida de agora. Para quê?
Eles já sabem! Eles já se escondem desses latidos todos, desses arrastos de fama, onde tudo está tão frio, que nem lhes apetece jantar. que lhes passa toda a fome numa só voz invisível.
Ontem à noite comi as minhas próprias palavras e bebi do meu próprio sangue.
Fiquei satisfeito. Que mais preciso? Deixo o resto da existência para depois. O agora, soube-me bem.
O futuro nunca me interessou.


Miro Teixeira
2015

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…