Avançar para o conteúdo principal

Perder tempo a querer ou querer ganhar tempo para poder?



Perdemos tanto de nós nas coisas mais vulgares de todas, nas mais básicas e repelentes. O espírito humano parece sempre voltado ao primitivo esforço de querer alcançar, sem merecimento.
Aos anos que acompanho e idolatro as sessões das Correntes D'Escritas. Para mim, que gosto da literatura, sou português e do Norte, que gosto de escrever e até já fui publicado algumas vezes, é a minha Graceland, a minha Meca. - Eu quero tanto estar ali, mas não posso, ainda.
Onde se peroram as pulsões sexuais da escrita, das anedotas bem-recebidas da escrita, da carne dos escritores que atendem, ou das diferenças entre ser escritor e não o ser, é ali mesmo.
Por isso é que eu quero lá estar. Porque sou tão invejoso como sou humano, e porque ser humano é ser invejoso também. Não existe mal algum em invejar aquilo que queremos para nós próprios. Levanta-nos. Acorda-nos. - Há que ser forte cá dentro para combater toda esta torrente de inveja e conseguir transformá-la num objectivo determinado.
As Correntes são uma veneração intuída, uma espécie de reverência iniciática da minha parte. Pensar: "Um dia, quando estiver ali sentado consegui!" - Faz parte da vocação de nunca desistir. Mesmo que estar ali sentado nunca venha a ser o mais importante de tudo. O que conta verdadeiramente, o que deve de ser mais puro e honesto, é a escrita em si, não o desejo de viver vicariamente através dela. 
Tenho pela frente uma emanação renascentista, que passa facilmente por todas as dinâmicas internas dos acólitos do costume, o corso carnavalesco, na escrita, como em qualquer outra área, discorre da "panache", do estrondo dos nomes, logo isto nunca poderá ser de outra maneira. 
Mas, eu não desisto de escrever, e, pela lei das probabilidades, um dia terá de sair o meu número.
Com alguma sorte (ou talento, quem sabe) um dia, alguém se lembrará de mim e insurgir-se-á contra o facto de ainda não existir sob a forma de disciplina a entrega do protagonismo a quem nunca o teve. Nesse dia, eu terei algo muito bom, escrito e publicado, e nesse dia também, será Fevereiro, estarei sentado num teatro a falar com deuses e demónios.

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…

A Sorte posta a Nu

Excerto de um dos contos do meu último livro: "Estórias de Amor para Desempregados
 - Se quiserem, se tiverem tempo, paciência, curiosidade, loucura sadia ou se forem simplesmente audazes por natureza, cliquem no link e descubram-no. Só se vende aqui, desculpem! Eu tento, mas não tenho estofo nenhum para o marketing, nenhum. Escrevo o que me apetece e não desisto disso. Ao menos uma parte da minha vida parece-me indestrutível. Espero que gostem. (bolas, isto soou tão desesperado!) Se não gostarem digam-me porquê. Preciso de contacto humano, sobretudo se for construtivo. Se gostarem, digam-me na mesma. Preciso também de qualquer tipo de provocação sorridente. -
(....) Começou com um grito inenarrável da Josefina. Um grito estridente de vitória que pareceu inoportuno, quase despropositado, embora totalmente justificado. E foi como se o céu rebentasse. Terá sido somente a constante falta de oportunidades que nos assolava a todos, que o fez destoar daquele silêncio pegajoso d…