Avançar para o conteúdo principal

"Máscaras com Rostos dentro" - Helder Sanhudo


Foto tirada durante a montagem da exposição (peço desculpa mas não sei o nome da sua autora)

Inaugurou neste último sábado, no Centro de Memória, em Vila do Conde a exposição "Máscaras com Rostos dentro" do Arquitecto vila-condense e meu bom amigo, Helder Sanhudo. 
Mais uma vez, pela terceira quase consecutiva, foi meu grande prazer poder me associar à sua rápida e merecida maturidade e ascenção como pintor, cujo progresso e divulgação ainda fará correr muita tinta por quem, muito melhor do que eu, consiga escrever sobre este mote das artes plásticas.
Ainda assim, tive a honra de oferecer os meus préstimos, escrevendo no livro de sala, os meus dois dedos de modesta apreciação sobre o seu vibrante trabalho, que poderão consultar após devida visita à referida exposição. Recordo que a mesma estará patente até ao dia 3 de Maio e que as visitas aos Domingos de manhã, são gratuitas.
Em simultâneo, e aquando da sua abertura, fui também convidado para dizer algumas palavrinhas alusivas ao autor e/ou à exposição em si, num curto discurso muito nervoso e atrapalhado, do qual transcrevo alguns excertos aqui por baixo:

(...) O Helder já fez o suficiente por estes quadros, pintou-os e o seu nome começa e acaba em cada um deles, sendo que a verdade absoluta do que ali está exposto, é exclusivamente sua.
Sobre isto teria ficado tudo dito, não fosse a razão da génese da liberdade artística, de qualquer forma de arte, que começa solitária nas mentes dos seus autores, vir a estar depois, sempre associada ao despojar de uma necessidade de mostra universal. O artista, o autor, trabalha dentro de si mesmo, por vezes penosamente, com grandes dificuldades mas o resultado final deseja sempre ofertá-lo aos olhos, aos ouvidos, ao toque de um grande público.
E ali está, para que todos a possam apreciar e assumirem também dentro de vós próprios a gama de possíveis emoções que a pintura do Helder é capaz de transmitir, individualmente, cada olhar faz os seus juízos, vive o momento, abarca o grande plano geral junto com as suas próprias ideias e crenças. Esta é, suponho, a sublime experiência da apreciação artística. Começa solitária e assim termina. (...)
(...) A amizade. A amizade foi o que me colocou hoje aqui, perante vós, a falar. A amizade e não os meus conhecimentos sobre arte. – Logo eu, que desenho circunferências como se fossem ovos estragados. Claro que acredito nos meus amigos e em tudo aquilo, seja lá o que for, que  estes abracem e desenvolvam. A grande virtude da amizade nunca é a da mão estendida ou o sorriso piedoso, mas a grande glória que advem da descoberta de alguém que nos acredita e confia. (...)
(...)Chegou a haver alturas em que me senti até um pouco apreensivo com o que o via fazer. Pensava: este fulano é perigoso, ele acredita mesmo no que faz. E a verdade é o melhor disfarce de todos, ninguém parece acreditá-la até não ser mais possível pô-la em causa. Todos queremos sentir que no mundo existem outros que também sentem e que compreendem os nossos vazios, ou as nossas falsas plenitudes. Pois essas são as nossas verdades fundamentais.
É por isto que eu acredito na arte do Helder, é fundamentalmente verdadeira.



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…