Avançar para o conteúdo principal

Crítica da razão impura


O criticismo cego consegue ser tão imobilizador. Paraliza mãos sonhadoras e mentes próprias, sem dono. E ainda não lhe descobriram cura química ou terapêutica que lhe faça frente eficazmente. Não se trata apenas da dor insensata que provoca a paralisia inicial, mas sim do choque séptico que a faz perdurar muito tempo após.
O terror do fracasso motivado por críticas inflexíveis pode ser tão danoso a quem cria, que por vezes, este vacila, e até se convence ser mais conveniente não criar de todo.
Qualquer crítico, profissional ou amador, havia de ter presente a noção de que, o seu objecto, por ser fundamentalmente humano, nunca beneficiará desse desporto de tiro ao alvo, se pelo meio, não for disparado nenhum ponto positivo que o sossegue temporariamente do afluxo de frustrações. Creio ser razoavelmente simples colocarmo-nos todos dentro dos sapatos d'outrém e imaginarmo-nos num dia a dia constante de absoluta negatividade; não há força de vontade férrea que o aguente!
Ainda ressoam em mim umas quantas palavras, mas mais que essas, a deambulação terna pelo que há de mais fundamental em nós. A memória, individual e colectiva, como acto de resistência. A construção do que somos desenhada como encenação que se vai materializando ali, estilhaçando umas quantas fronteiras. Um espectáculo radicalmente belo.
Portanto, senhores e senhoras críticos, apresentem o vosso criticismo em doses moderadas, quem sabe até, generosamente salteadas com uma pitada de positivismo para a malta não desanimar de todo. A mediocridade de hoje, pode ser a genialidade de amanhã. Não existem fórmulas que não estejam condicionadas por quem as dita, e quem cria, grosso modo, não o faz a imaginar nenhum mercado específico, fá-lo porque não consegue fazer de outro modo, até que lho mostrem. Pensem nisso. (Amigos sobretudo.)



Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…