Avançar para o conteúdo principal

Piquenas estórias de amore IV




- Substituir-te, foi o mais difícil de tudo. Se realmente fores como sempre te julguei, uma peça rara de porcelana ajeitada em sons puros do mais moderno sistema de som, presumo que, a minha antiga grafonola nunca conseguirá esquecer a boa música que existiu entre nós. Estava tudo errado lá ao longe, não sei se ficará mais certo aqui.
- Havia duas ou três crianças soltas na aldeia que habitáramos juntos em criança, lembras-te? Filhos únicos do pouco que nos restava de amizade. Agora, essa aldeia ficou sem folhas, e tu, a teu bel-prazer, vais dizendo coisas de mim, sem freio, como ervas altas que ocultam perigos inomináveis. Como faço para te perdoar isso?
O outro leva a mão à boca. Chora sem se ver, dentro de um armário do passado.
- Quem é que fala assim?
- Assim como?
- Assim assim... como nós falamos um do outro.
- Mantém-te aqui comigo. Que mal nos fará ficarmos? Sabe-se lá o que o futuro nos reserva?
Alguém cantava uma canção triste ali perto. Talvez alguém que lhe pudesse explicar tudo sem recorrer a palavras.
- Depois dos últimos aplausos ficámos todos sós, à mesma. O que nos separa é essa busca. Querer encontrar o último aplauso é uma chatice dos diabos. Não aguento mais isto!
- O quê?
- A ressaca. Recrutaram-me para tomar os silêncios prolongados como normais. Agora, reencontro-te e tudo o que dizes parecem coisas que já ninguém usa, ninguém diz. Já ninguém manda postais ou se senta aprumado à mesa. Quem és tu afinal?
Nascêramos ambos com um pequeno defeito. Coisas de coração que só um outro coração defeituoso admite. Ele assustou-se muito com essas coisas da anatomia humana que põe almas no lugar de orgãos vitais. Aquele medo ganhou corpo, casou e partiu para longe, sem saber que o coração crescia para além do previsto e do espaço e do tempo.
Ficou um tal silêncio ali. Podia-se ouvir as respirações subir e descer pelas cadeiras do café.
- Isto é uma separação então?
- Não! Separados estivemos sempre. É um recomeço, um desabrochar. Estivemos fechados tanto tempo sem nos vermos realmente. Anda cá.
E uma brisa forte passou a correr pela sala, um vento melhor dizendo. Tinham ambos endireitado os dedos, esticado os cotovelos sobre a mesa, contado até mil, respiravam agora. Depois, abruptamente, soergueu-se um suspiro de alívio, que os pesou e preservou com a gravidade de quem muito se quer. Esperava-os o plano quase secreto de reconstruirem um passado. Começava ali a amizade.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…