Avançar para o conteúdo principal

Adeus Gaspar...



Este pequeno texto é só sobre dor. 
É realmente pequeno, mas, fica desde já feito o aviso à navegação de todos quantos nunca sofreram pela perda de um animal que amaram. Se nunca o experimentaram:

- Não leiam o resto deste pequeno texto.

Desde Novembro de 2005 até ontem, tive "alguém" na minha vida que me pressentia tudo melhor que eu próprio. E digo "alguém", entre aspas, porque nem sequer era pertença da família da minha raça,  ou tampouco da minha própria espécie. 
Não importa. Quem disse que, um homem doente deitado numa cama, precisa necessáriamente do carinho de alguém da sua espécie? Quem disse que, quando a cabeça nos escapa no turbilhão da demência só a mão humana nos surge, do escuro, e nos faz adormecer no sossego do vento que se deita sobre as árvores? Quem disse, que nos melhores momentos, de altura de saltimbancos e sorrisos de nuvem, haveria de ser outro, senão um gato, a libertar-nos as bainhas da camisa, a abrir-nos os lábios num sol impossível, a olvidar as manchas de suor das correrias de alegria? - Quem?
Terei quiçá sonhado com tudo isto. Pode ser que estes quase dez anos tenham passado nas costas de um anjo, posso até ser um cabrão de um lírico sem juízo, posso ser tudo o que quiserem que eu seja, eu já pouco me importo com o que de mim dirão, porém, tu estiveste sempre lá. Sempre aqui.
No meu colo, nas minhas mãos, aninhado no nosso calor. - segunda-feira, terça-feira, quarta-feira, quinta, sexta, nas pontas dos meus dedos, com o fio das tuas unhas, harmoniosos, como se nem fossemos vistos no meio dos adultos, só duas crianças a brincarem sem regras.
Eu adormecia entre a suavidade do teu alvo pelo e tu, tu acordavas pousado no meu rosto. Nenhum reclamava as noites que dormiamos de costas ou os dias que chorávamos cara a cara. Cantávamos apenas, um ao outro, na nossa própria língua, e, os dias assim prosseguiam, sem pressa alguma.
De repente, os dias esqueceram-se de nós, apressaram-se a levar-te para onde não te alcanço com nada físico que tenha disponível. Os dias mataram-te cedo demais, e sem que eu os pudesse deter. Nunca os perdoarei por isso. Nunca esquecerei o pouco tempo que os dias e as noite nos deram. E, se ninguém quiser entender isto, estou-me marimbando. Fazes-me falta Gaspar, perdi-te à morte, como já antes perdera todos os amigos humanos que o nosso tempo de gente me roubou. Aquele tempo que só foi maravilhoso, enquanto fomos meninos, donos da mesma linguagem que me fazia compreender-te.
Agora fiquei só de todas as infâncias perdidas, obrigado a recomeçar, como se conseguisse. Não é justo o tempo meter-se nas contas das diferentes espécies, como um deus vingativo que não aprendeu a ser criança. Não é justo, não! - Nada disto pode ser justo, sobretudo no Natal.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Cinco minutos

Assumi escrever isto em cinco minutos, sem tempo para hesitações. É só para esvaziar, para não me deixar soterrar pelas avalanchas da inadequação.  Os meus olhos saltam perdidos entre os grandiosos eventos estivais, apanham respingos das fontes iluminadas com os rostos eleitorais, entram pelas bibliotecas dentro, todas maiores que os meus medos. Param nos cafés lotados de soberba, cheios de viciados em exposição, a transbordarem pelas esplanadas, parecem todos mais cansados que eu com as suas roupinhas de férias.  Tanta feieza e formosura juntas que já não tenho certezas sobre como saber separa-las. Ou se devo. Ou se preciso fazê-lo. Ninguém me mandou andar por aqui, ao acaso, a procurar personagens absurdos. Aqui fora, todas as montras são íntimas, e ninguém mostra vergonha de nada comprar. Aqui fora vêem-se os rostos, olhos nos olhos, enquanto rejeitam de frente. Dói, mas é melhor assim. Durmo e tenho sonhos estranhíssimos em que ajudo pessoas que parecem nem precisar de mim. Afastam-s…

As Crónicas do Senhor Barbosa III

O Senhor Barbosa acredita que já nada o pode magoar. Nem o desprezo passado, presente ou futuro, nem o cão esgalgado da vizinha, de dentes longos, nem a hesitação insípida do amor mais ou menos alvoroçado, nem a morte, nem nada. Nada mais lhe poderá acontecer de tragédia inventada. Já outros a inventaram por si. Olha para os reflexos e sabe que isto é de uma tal arrogância que até lhe faz doer os dentes postiços. Ri-se e prossegue a acreditar na sua recém-criada fortaleza inexpugnável. Mas, o Senhor Barbosa não fecha os olhos debalde, e sabe que, em tempos difíceis, às vezes é preciso morder a laranja para a poder descascar. Nada significa o que quer que seja até ao dia seguinte, altura em que voltamos a fazer contas à vida. É quando o riso cessa. Sabe isto e mesmo assim ri. Porque não? Está tão bêbado que outra coisa não lhe ocorreria fazer. O que é difícil é ultrapassar a espera pelo dia seguinte. Ali estava outra vez o ruído. Aquele ruído frio, cortante, vertical, que tão bem conheci…