Avançar para o conteúdo principal

Um café, três cigarros e uma conversa de chacha.


Parece quase como se as nossas referências comuns, se relacionassem mais com eventos que até nunca aconteceram de facto, ou com pessoas que nunca iremos conhecer, do que com outras coisas e pessoas que realmente nos deveriam ser insubstituíveis ao diálogo. Sabemos mais sobre celebridades ou sobre personagens de ficção, do que sobre os nossos vizinhos ou o senhor que nos vende o pão todos os dias.
Chamo-lhe a tirania da aceitação.

Quando condenamos ou justificamos, não podemos ver com clareza, e também não podemos fazê-lo quando nossa mente está a tagarelar incessantemente; não observamos então o que é; só olhamos nossas próprias "projeções". Temos, cada um de nós, uma imagem do que pensamos ser ou deveríamos ser, e essa imagem, esse retrato, nos impede inteiramente de vermos a nós mesmos como realmente somos.
Se desatar p'ráqui a falar sobre a D.Isabel do 2º dir., que é uma criatura adorável asseguro-vos, e me trata como seu terceiro filho, que interesse isso teria para outrém? Ou então sobre a simpática carteira que me toca à campainha quando chegam cartas registadas e adocica o rápido processo de permuta com um sorriso e duas ou três palavras indeléveis, haveria alguém de querer saber sobre isto, ou ir mais além, e até entabular um diálogo comigo sobre esse assunto? Não. Claro que não. Queremos todos embarcar na arca transbordante que celebra o mediatismo do eterno, papaguear sobre a profusão de nomes, lugares e imagens que nos acendem todas as luzes interiores e depois despoletam-nos todos os comentários possíveis. Mortos ou vivos, pungentes, divertidos ou inenarráveis. Maravilhosos ou horríveis demais para serem mencionados de todo, não interessa, queremos participar nesse coro do momento, porque é o lugar certo para nos sentirmos iguais e seguros. Ninguém nos explicou isto, mas é inato, o conforto está na manada, na segurança dos números. Pois todos sabemos qualquer coisa sobre isso. Seja lá "isso" o que for. Parece que só nos sentimos aceites quando partilhamos o que é de todos, ao invés daquilo que é nosso, claramente mais genuíno, porém, desinteressante do ponto vista comum. É uma ditadura interna que nem nos preocupámos em combater, com medo desta não representar, adicionar ou retirar importância alguma ao bem geral. Penso nisto muitas vezes, seja lá o que "isto" for. E compactuo também para este descrédito humano de procurar importância por transferência da genialidade ou banalidade de terceiros. Mea Culpa! Mas vou tentando corrigir-me um bocadinho de cada vez, um texto de cada vez. Porque, cada passo na direcção certa é um melhor caminho para uma paz interior duradoura.

Mensagens populares deste blogue

Jorge Machado

Ninguém nunca sabe ao que vem, viver é um ensaio. Dão-nos o que fazer e coisas para que acreditemos e depois ficamos à solta. Dão-nos o nós e a vida de barro, mas há quem faça o que bem entende gostar de fazer. E até há quem o faça muito bem. Ninguém nos explica direito, em pequenos, que as coisas mudam e partem e ausentam-se, e que antes de aqui chegarmos, já o seríamos, mas que tudo se cria e que tudo se nos pode escapar. Carecemos de um olho arguto e atento para captar o que mais conta, até à eternidade. Eu, por boa sorte, tenho um amigo, que por sorte também é o meu melhor amigo, que entende muito bem que há tempos de equívocos, de medo e de combate. Que o mundo, de tão duro e belo até ao fim é mais colectivo se for partilhado em imagens, que nos deixem estarrecidos. O Jó sabe disso de querermos ser felizes, nisso somos mais que irmãos.  E desde catraios entendi nele, o seu lugar exacto. O seu carácter metódico, rigoroso é a pedra de toque da sua vida e da sua paixão, a fotografia. …

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Peido, logo existo!

Hoje, o Homem exalta-se a si mesmo constantemente.

Confesso que nunca me pensei como um moralista de bastidor, daqueles provedores de sofá que despejam dislates em frente ao televisor, e depois, insatisfeitos, rumam às redes sociais a mostrar ao mundo como a cabeça lhes chegou aos dedos. Ontem apercebi-me que sou. É uma idiossincrasia quetalvez me tenha chegado com a idade. Certas noções de certo e errado começam finalmente a assentar cá dentro.  Todos sabemos sobre o terrível incêndio, sobre as vítimas, a indefinição de culpabilidade, os deslizes da, por vezes, muito pobre comunicação social que os acompanhou. Todos já sabemos tudo sobre isto, demasiado quiçá. Por altura destes tempos imediatos, nem o mero escapar de um gás de algum mosquito se livra do escrutínio continuado e multi-interpretado. É assim que são as coisas agora. Muito úteis a espaços, em momentos e situações que de outro modo passariam despercebidas da maioria, como revoluções, catástrofes, violações dos direitos hu…