Avançar para o conteúdo principal

Os humanos, esses filhos da puta catitas!


Ai estas pessoas que vêem tudo com maus olhos! - Que ensinam diariamente a paixão a chorar e a vida a definhar num poço sem fundo. 
Há nestas frases algo de estranho, algo de lágrimas e perdição. - Estas pessoas! Estas estranhas pessoas que sem terem quem lhes puxe nem se mexem. Que coisa! - É como se comprassem um bilhete só de ida, para os territórios neutros. - Hummm...estas pessoas! Corpos mortos, com o sangue ainda a fluir-lhes nas veias. - Nem imaginam que, o truque chama-se baixar todas as fasquias, acreditar na sorte e nas aventuras. o truque é pensar-se sempre por baixo, ser pequeno e humilde. Ser mais humano ao espelho. 
Não fomos colocados aqui para termos tudo direitinho, como queremos. Não! - Temos defeitos, somos ingénuos e estúpidos até. - Por exemplo: Só hoje é que descobri que se pode escrever aqui o que se quiser, que ninguém liga na mesma. É assim mesmo, costumava valer alguma coisa ser diferente, agora já não. Na adversidade, toda a bravura é escassa para se deter todas as mãos que nos empurram para baixo. O auto-ataque, é o mais covarde de todos. Atinge-nos sempre pelas costas.
Somos assim, humanos! O truque final, é acreditar sem dizer muito, sem dizer nada até, e tudo acontecerá, como deve de acontecer. Rais' partam estas pessoas! Porque têm de estar sempre a chorar por tudo e por nada?
É como falar para o boneco e dizer-lhe assim: Ao ler para trás aquilo que me escreveste, descubro que me vês às avessas, como quem vê as entranhas de um bicho mau, esperando bondade lá dentro. Aos teus olhos nascem-me garras nos ossos, cornos de pedra, presas rudes, olhos de besta. É justo. Tudo muito catita, até descobrir que esse boneco sou eu mesmo. - Deixo-me estar quieto, porque nunca acreditei na malvadez de nenhum bicho que não fosse humano. Tenho a minha própria gruta de bicho onde escondo todas as palavras de besta que esquecerei sempre de dizer e fico lá, muito quietinho, a ser eu mesmo e a imaginar o mundo brilhante e lindo, cheio de tantas outras palavras pela frente. Suponho que existirão coisas piores para se fazer nesta vida. Criar um mundo de silêncios, de lápis na mão e com vista infinita à nossa mercê, mas desapegado de tudo, nunca poderá ser assim tão terrível.
Ai estas pessoas assim, que atrasos de vida! - Vivem de um egocentrismo idiota que os leva, com excessiva frequência a imaginar cabalas onde nada existe e a imaginarem-se o centro de universos alheios. É esta mania de confundir amizade com qualidade, e uma preguiça enorme de pensar pela própria cabeça e de agirem em conformidade. 
Preferem, com frequência, gastar energia a cobiçar e a invejar do que a criar. Pena, pena... A dor dissipa-se, a paixão consome-se como a ilusão que é, mas engrandece também, a vida é esta viagem de constantes mistérios, de sortes fortuitas. é preciso ter olhos para o que é, sempre para o que é. O que virá, será sempre uma incógnita. E a sorte, anda à solta pelo quatro cantos da indefinição. Não sei...que dizer mais sobre pessoas assim?

Mensagens populares deste blogue

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Textos Devolvidos II

(...)

Gabriel era um palerma, sim, um débil pamonha cheio de fraquezas emotivas. O pai dele era o seu inverso, o Hermenegildo acredito que fosse selvagem, sem dúvida. Os gonzos descambados da porta assim o provavam. Como é que alguém nãoselvagem conseguiria vergar aquelas dobradiças num empeno, com a simples força do seu corpo? - Além disso, havia também a história, sim, aquela misteriosa história que o Gabriel, a muito custo nos contou certa vez, sobre ele.  Não era uma história sobre o senhor Almeida entendam, mas tão-somente a história do bravo Hermenegildo Almeida. – Há aqui uma notória diferença. - Onde este, dotado de um sangue mais vermelho que a maioria, e com dezassete anos apenas, fugira de casa sem qualquer aviso, rumando a Espanha, para se juntar aos retalhos das brigadas internacionais, os soberanos republicanos que lutavam contra o fascismo do General Francisco Franco. Gabriel não era exactamente um bom contador de histórias, de modo que tivemos de fazer as contas e imagi…

O Interesse da Solidão

A solidão, de todas as marcas de fogo que carrega o ser humano, é, indubitavelmente, a mais perturbadora. Lembrem-se todos: sois filhos dos vossos pais. Sangue de ferro, coração de gelo... carcaça de geleia, polme infinito.... Intermitência da vida antes e depois. Somos todos tão inconsequentes pelo que fazemos para chegarmos onde estamos. - Escreverá algum dia alguém um livro sobre nós? Ainda estou para fazer 50 e já tudo me soa a tragédia. Isto é solidão! Fico doente só de pensar, como se a própria ideia me aleijasse fisicamente. Envelhecer não é uma coisa boa para pessoas como eu. Lembra-me o Céline a dizer: "Se envelhecer cedo demais..." - Só isso. Beber, beber, beber...ostras fumadas aos feriados, corações de alcachofras por acaso e chocolate belga a enojar-me a fobia aos Domingos, Meu Deus! Perdido em um mar cintilante de solidão humana, encontra-se um pequeno lugar da cor do chumbo. Não é a minha nem a tua, é. Porque a solidão nunca quer ser, mas acaba por ser próxim…