Avançar para o conteúdo principal

Os humanos, esses filhos da puta catitas!


Ai estas pessoas que vêem tudo com maus olhos! - Que ensinam diariamente a paixão a chorar e a vida a definhar num poço sem fundo. 
Há nestas frases algo de estranho, algo de lágrimas e perdição. - Estas pessoas! Estas estranhas pessoas que sem terem quem lhes puxe nem se mexem. Que coisa! - É como se comprassem um bilhete só de ida, para os territórios neutros. - Hummm...estas pessoas! Corpos mortos, com o sangue ainda a fluir-lhes nas veias. - Nem imaginam que, o truque chama-se baixar todas as fasquias, acreditar na sorte e nas aventuras. o truque é pensar-se sempre por baixo, ser pequeno e humilde. Ser mais humano ao espelho. 
Não fomos colocados aqui para termos tudo direitinho, como queremos. Não! - Temos defeitos, somos ingénuos e estúpidos até. - Por exemplo: Só hoje é que descobri que se pode escrever aqui o que se quiser, que ninguém liga na mesma. É assim mesmo, costumava valer alguma coisa ser diferente, agora já não. Na adversidade, toda a bravura é escassa para se deter todas as mãos que nos empurram para baixo. O auto-ataque, é o mais covarde de todos. Atinge-nos sempre pelas costas.
Somos assim, humanos! O truque final, é acreditar sem dizer muito, sem dizer nada até, e tudo acontecerá, como deve de acontecer. Rais' partam estas pessoas! Porque têm de estar sempre a chorar por tudo e por nada?
É como falar para o boneco e dizer-lhe assim: Ao ler para trás aquilo que me escreveste, descubro que me vês às avessas, como quem vê as entranhas de um bicho mau, esperando bondade lá dentro. Aos teus olhos nascem-me garras nos ossos, cornos de pedra, presas rudes, olhos de besta. É justo. Tudo muito catita, até descobrir que esse boneco sou eu mesmo. - Deixo-me estar quieto, porque nunca acreditei na malvadez de nenhum bicho que não fosse humano. Tenho a minha própria gruta de bicho onde escondo todas as palavras de besta que esquecerei sempre de dizer e fico lá, muito quietinho, a ser eu mesmo e a imaginar o mundo brilhante e lindo, cheio de tantas outras palavras pela frente. Suponho que existirão coisas piores para se fazer nesta vida. Criar um mundo de silêncios, de lápis na mão e com vista infinita à nossa mercê, mas desapegado de tudo, nunca poderá ser assim tão terrível.
Ai estas pessoas assim, que atrasos de vida! - Vivem de um egocentrismo idiota que os leva, com excessiva frequência a imaginar cabalas onde nada existe e a imaginarem-se o centro de universos alheios. É esta mania de confundir amizade com qualidade, e uma preguiça enorme de pensar pela própria cabeça e de agirem em conformidade. 
Preferem, com frequência, gastar energia a cobiçar e a invejar do que a criar. Pena, pena... A dor dissipa-se, a paixão consome-se como a ilusão que é, mas engrandece também, a vida é esta viagem de constantes mistérios, de sortes fortuitas. é preciso ter olhos para o que é, sempre para o que é. O que virá, será sempre uma incógnita. E a sorte, anda à solta pelo quatro cantos da indefinição. Não sei...que dizer mais sobre pessoas assim?

Mensagens populares deste blogue

O Artista que faz falta Conhecer

Um dia desenhei um rectângulo largo em uma folha de papel-cavalinho, não foi salto nenhum, pois em anos antigos, já me tinha lançado a fazer rabiscos aqui e ali. Em pastel sobretudo, e uma vez cheguei ao acrílico, mas aquilo eram vãs tentativas sem finesse alguma. As artes plásticas são um mistério ainda, e uma das minhas grandes decepções como ser humano criador. Essa e a música. Creio até que terei começado a escrever por me faltar jeito para o desenho e para os instrumentos de sopro.
Assim que voltemos ao meu rectângulo. Esquissei-o de vários ângulos e adicionei-lhes cornijas e janelas. Alguns sombreados. Linhas rectas e perspectiva autónoma, cor e até algum peso acumulado. Longe do real mas muito aproximado deste. Quando dei por mim tinha o Mosteiro (Stª. Clara) desenhado, em traços grosseiros e pôs-me feliz ter chegado ali, até me dar conta que cometera plágio.
O meu subconsciente foi buscar o trabalho do Filipe Laranjeira ao banco da memória, e sem me pedir licença, copiou-o de…

Dia sim, dia não, uma beleza antiga.

Um filho que não se chama assim.

Tenho dois filhos, um tem vinte anos e a outra dezasseis. A explicação estereotipada das abelhas e dos pássaros, das florzinhas...não sei... não funcionou de todo. Talvez por minha inépcia, ou talvez que por enquanto, tenha funcionado melhor num que no outro, resta saber. Os dois juntos são o cão e o gato e ambos insistem que não fazem mal a uma mosca. É verdade. Sou eu quem mata todas as moscas, melgas e aranhas cá de casa, e ainda que em muitos momentos destes anos todos, aqui e ali me parecessem bicharocos terríveis, toda esta experiência vem sendo uma zoologia bonita de amor, repleta de macacadas e aves de voos tristes.
Ou isso, ou então aqui aplica-se aquela velha apologia de que tudo está destinado a encontrar o seu próprio caminho. Tentei ensinar-lhes isto de rosto sério mas eles olharam para mim e desdenharam tudo com um encolher de ombros. Não são parvos nenhuns os meus filhos, e nesta urgência de aprender a ser pai, ensinaram-me eles a constante lembrança de não falar coisa…